De Camões a Teló

Foi Picasso quem descreveu
Seus múltiplos sorrisos
E Machado quem decifrou
Seus olhos de ressaca

Camões, todo rebuscado,
Foi quem soube explicar
O fogo que em mim ardia
Sem que eu pudesse ver

E eu, pobre poeta que sou,
Parafraseei Fernando Pessoa
Escrevendo numa carta (ainda escrevo cartas)
Que te amar era preciso

Com Cartola, queixei-me às rosas
Que nada responderam
Até que Drummond, sabiamente, disse-me para
Tirar as pedras do caminho

Fui, então, declarar-te meu amor
Meu corpo quis citar Teló,
“Ai se eu te pego”
Mas antes, por sorte, o coração citou Jobim

“Eu sei que vou te amar
Por toda minha vida”
E você, musa inspiradora que é,
Lançou-me seu sorriso de Monalisa

Celso Garcia