As belezas pela internet: "Ator"

Realmente é muito difícil escolher os textos que entram nessa seção. E isso se dá muito porque as coisas que leio têm sido sempre muito boas. Esse mês de Dezembro li esse texto de extrema delicadeza e sentimento, escrito pela Mayara Almeida, que tem um blog muito bonito, singelo e tocante. Nos conhecemos nessa troca incrível de leituras, através do blog do Thiago de los Reyes, e encontrei na página dela um verdadeiro baú de tesouros literários, donde se guardam os mais finos tesouros que alguém pode juntar. Enfim, fiquem com esta leitura maravilhosa. Tomara que gostem.

Ator
(Por Mayara Almeida)

Eu podia ter um milhão de filhos
eu podia ser artista,
palhaço ou equilibrista.
Eu podia viver de lembranças
e voltar a ser criança.

Eu podia ser natureza,
beber a água do mar
me salgar e morrer,
feliz.

Eu podia não ser quem sou
fingir e me destruir.
Eu podia desistir de ser
o que de fato sou
e morrer na infelicidade.

Eu podia ser uma pedra
e de tão pedra,
não sair do lugar.
Eu podia não ser de carne nem osso
e me manter calada e seca.

Eu podia murchar,
eu podia secar,
eu podia aguar, azedar

e salgar a doçura de um coração
mas eu preferi chorar os males,
sorrir os dias,
tocar a pele,
ser.