Dessa vez, é bom e é tão diferente...

É bom olhar pra trás e admirar a vida que soubemos fazer
É bom olhar pra frente, é bom nunca é igual
Olhar, beijar e ouvir, cantar um novo dia nascendo
É bom e é tão diferente

A vida é um eterno rolo de acontecimentos, que vamos desenrolando com o passar de cada dia. E vamos deixando marcas em cada pedaço desvendado, em todo novo dia. Com maior ou menor grau, essas marcas ficam, e deixam em nós lembranças. Se elas são boas ou ruins, cada um é que sabe. Em geral, são apenas lembranças. O sentimento que trazem consigo é que podem variar de acordo com a variação de cada pessoa. São sentimentos que nos dão a noção de entender uma lembrança como boa ou ruim. São eles, portanto, que temperam nosso passado, e nos fazem agir na direção do futuro.
Mas a vida é feita para ser vivida. É olhando para frente que passamos a viver. Cada dia que perdemos olhando apenas o passado é um dia que não voltará mais. O legal é enfrentar o desconhecido futuro, e descobrir o que nos espera a cada novo amanhecer. Isso dá sabor à vida. Isso nos dá ritmo. Nos movimenta... Cada novo sentimento, cada grande pulsar do coração, é um sentimento único. Não se repete do mesmo modo, mesmo que todo dia você tenha a mesma emoção que acha que teve no dia anterior. A vida não é parada nem pra quem é mais quieto.

Eu não vou chorar, você não vai chorar
Você pode entender que eu não vou mais te ver
Por enquanto,
sorria e saiba o que eu sei eu te amo

Sentimentos são feitos para serem sentidos, não traduzidos. Certa vez um amigo me falou que não consegue transformar em palavras o que se passa dentro dele. “Amor”, “amizade”, “prazer”, “dor”... Isso tudo são apenas palavras. O que elas querem representar em cada um de nós é diferente. O amor que eu tenho certamente não deverá ser igual ao que você, caro leitor, possui. São sentimentos que transmutam de acordo com a personalidade das pessoas, e com o que elas trazem dentro de si, e que muitas vezes preferem manter obscuro em suas mentes.

É bom se apaixonar,
ficar feliz, te ver feliz me faz bem
Foi bom se apaixonar,
foi bom, e é bom, e o que será?
Por pensar demais eu preferi não pensar demais
dessa vez...
Foi tão bom e porque será

O amor é um exemplo de sentimento complexo de ser explicado. É capaz de despertar nas pessoas motivações que normalmente elas não teriam, para o bem ou para o mal. Amantes são capazes de mover o mundo pela pessoa amada. Eles fazem loucuras em nome do amor. É próprio de quem ama querer que o mundo inteiro saiba que se está amando. E quem é capaz de julgar? Todos sentimos isso, de modos diferentes em cada um, mas sentimos. O eu hoje lhe parece loucura, amanhã pode lhe ser perfeitamente normal.
Seres humanos também são capazes de coisas reprováveis quando estão amando. Isso acontece muito quando um lado acha que o amor acabou, e decide por um fim em sua relação. É muito difícil dizer a um coração apaixonado que ele terá que aprender a viver longe de quem ama. A mente (razão) pode até entender, mas, muitas vezes, o coração não aceita. Algumas pessoas firmam pactos de coexistência pacífica com a dor. Tem gente que transforma essa dor em poesia. Mas outros, mais aguerridos, acham até que tem o direito sobre a vida e a morte de quem amam, e, aí sim, cometem loucuras irreversíveis.

Eu não vou chorar, você não vai chorar
Ninguém precisa chorar, mas eu só posso te dizer
Por enquanto,
que nessa linda estória os diabos são anjos

Ninguém precisa morrer por causa de um sentimento. Na verdade, vivemos para tê-los. E os temos a todo momento, mesmo que achemos que eles não existem. São esses sentimentos que nos movem em busca do incerto futuro. E deixam marcas. Profundas ou rasinhas, mas deixam. Fazem-nos sentir quando olhamos para trás, e muitas vezes são os responsáveis por ações que tomamos em nosso presente, e que terão consequência em nosso futuro. Não julgue as pessoas pelas marcas que te deixaram, pois, mesmo que tenham influencia, não são as intimas responsáveis pelas tuas pegadas. São marcas da vida... De uma vida que foi feita para ser vivida, e não apenas observada.

(“Dessa vez”, uma das mais belas canções de Nando Reis)