Platônico


Será que ela sabe? Será que ela sente? 
Será que ela imagina que cá do outro lado do mundo tem alguém que pensa nela todo instante?
Tão perto, mas tão longe. Perto do coração, longe dos olhos, do toque, do beijo.
Presente na memória, nas lembranças inventadas. 
Distante da verdade, ilusão, perdido na realidade.
Aqui, ele sonha acordado, ama escondido.
Lá, ela nem imagina e vive tranquila.
Ou imagina? Ou sente, no fundo da alma, um pingo de amor?
Aqui, ele vive a fantasia de estar com ela todos os dias.
Ele revive o sonho. Sempre.
Lá, ela passa seus dias, em alegria.
Aqui, ele renova, a cada momento, a esperança.
A esperança de um dia, um encontro.
Um reencontro.

Marina Messias