Os Intactos Projetos

Nem tudo que parece é! Na política, isso faz ainda mais sentido. O jogo de vaidades para as lentes quase nunca reflete o campo pouco convidativo dos bastidores de uma área tão humana em suas virtudes e, principalmente, em seus defeitos. Séculos após sua morte, e os escritos do Cardeal Mazarin ainda refletem uma realidade triste nas nossas relações sociais.
Valentino da Costa é o habilidoso comunicador do governo de Henrique Cordeiro. Ele tem o dom da criatividade, sempre bolando formas inusitadas e cativantes de passar a informação que deseja. Propagandista experiente, desde a juventude despontou com a habilidade que faria dele um dos homens fortes da gestão que está se encerrando.
Henrique deve muito do sucesso de seu governo à propaganda bem feita das realizações - uma praxe de todo governante que almeja permanecer na política, e detém a máquina governamental em suas mãos - além de conseguir abafar alguns problemas crônicos surgidos na equipe, que, de algum modo conseguiam vazar para a imprensa. 
Valentino chega ao palácio do governo, em seu carro. O dia de hoje não é o mais comum de todos, embora seja próprio da vida que tudo passe. Ao parar na porta, ele desce do carro, com um celular ao ouvido ainda.
- Só um minuto. – Ele olha para o motorista – Me pegue aqui às 17 horas. Hoje precisamos ser pontuais. Eu tenho que ir pro aeroporto sem atraso! – E novamente ao telefone – Eu não tenho dúvidas disso...

Ele se afasta do carro falando novamente ao celular. Como anda sempre rápido, e cheio de códigos apenas compreendidos pelos políticos hábeis, não é possível contar aqui o que conversa ao telefone. Valentino é esperto! Vai passando, e quando está chegando ao elevador é abordado por Fabiano Monteiro, um grande conhecedor das leis e fervoroso partidário desde quando os dois eram jovens. 
Fabiano não vive apenas para as labutas forenses ou atividades jurídicas de consultoria e de partido. Antes de tudo, é um cidadão, integrado a uma comunidade com relações em diversos segmentos da vida social. 
Sua postura não se restringe aos momentos de paletó e gravata no expediente convencional, mas entende-se para os demais horários e os demais locais, como restaurantes, quadras de esporte e reuniões festivas para relacionamento com vizinhos, amigos e -porque não- amorosos. 
Fabiano é amante do tênis. É dono também de um charme e de um jeito conquistador que encanta as mulheres, seu fraco, embora ele seja bastante discreto. Mas ali o assunto era bem mais diferente e sério: A política!
- Valentino, meu amigo! Achei que já estava viajando. 
- Claro que não. Tem evento hoje. Mas também não vou ficar o tempo todo se isso demorar. Espero que o Henrique não atrase muito essa transmissão. Aí é sair correndo pro aeroporto.

O elevador chega, e eles entram nele.
- Você acha mesmo que o Valter não insiste em ser o candidato?

Sem muita paciência, Valentino, mais uma vez, tenta explicar a Fabiano como são as coisas da política. Ao menos naquele cenário que os dois viviam.
- Olha, Fabiano, trato é trato. Não há condições políticas de o Valter vencer as eleições. E temos nomes mais fortes que ele... Você sabe.

Eles saem do elevador e se encaminham para o salão das audiências. Valentino está notoriamente indisposto com a companhia insistente de Fabiano, que não se cansa de tecer comentários acerca da participação do Vice-Governador Valter Villa no pleito do ano. Parece até que ele precisa “tirar” alguma informação visceral de Valentino.
- Mas você tá animado para as eleições, né? Eu to com o gás todo. Me lembro dos nossos tempos de juventude. Era bom pra caramba aquela agitação toda...
- Nem me fale disso. Tenho tanta coisa pra resolver dentro do partido, que fico com esses cabelos mais brancos ainda só de pensar nessa eleição.
- Temos, meu amigo! Não se esqueça disso.
- Claro, claro... Você tem razão. E o Gregório tem papel fundamental nessa arquitetura. Visceral! – Valentino riu agradavelmente.
- Claro. Até porque ele é o presidente do partido, né.

Valentino afirma positivamente com a cabeça e sai logo para cumprimentar um grupo que o acena de longe, deixando Fabiano sozinho que, sem ter o que fazer, vai sentar-se na ultima fileira, na primeira cadeira vaga que encontrou diante de seus olhos. 
Saber novidades pela boca de Valentino não foi mesmo a ideia mais acertada.

Leonardo Távora