Mesmo Mês

Eu já achei tantos pedaços meus espalhados por ai, mas nenhum é igual a este em questão. Ou melhor, nenhum dos meus pedaços se encaixa tão perfeitamente a mim quanto este.
Talvez eu goste mais dele do que de todos os outros porque o sinto muito igual, com todos os ciúmes e paranoias, com todas as mordidas e carências, tão igual e tão diferente, tão perto e tão distante.
Amor que nasceu de foto, bem pequenininho, mas que hoje já está grande e que logo, se tornará gigante, tomando então, conta de mim.
Por entre tantas datas de nascimento, as nossas se cruzaram pra te deixar assim, como um irmão meu, pra fazer eu me perder no mar dos teus olhos, pra me fazer te inserir na minha história, colocar a tua imagem do meu lado; andar de braços dados por aí, te levar pra ver o sol se pôr no farol, não comer peixe e passar uma madrugada acordada.
Eu já imagino como deve ser bom te abraçar, eu já sinto inveja de quem vive do teu lado, eu já te chamo de Meu, eu já me perdi dentro de ti e não quero me achar mais.

Andresa Alvez