Senhora Solidão

Quem a convidou
Pra vir até aqui?
Eu estava bem sem você
E bem melhor com ela,
Aquela que saiu
Por esta porta,
Talvez pra todo o sempre
Ou então, pra nunca mais
Agora é você,
Senhora Solidão,
Quem invade minha vida
Preenche o amargo espaço
Dessa casa vazia
Desse peito miúdo
Agora é você, insistente,
Quem perambula à noite
Tirando meu sono
Arrastando correntes
E sequer pra me ajudar
A tomar conta das rosas
Que ela deixou pra trás
A secar nesse tempo árido
Pobres rosas que eu dei
Logo mortas serão
Só eu te mereço, Solidão?
Não te quero aqui,
Minha cara senhora,
Por que não vai pra junto dela?
Dê-lhe pesadelos,
Leve-lhe lágrimas,
Relembre-a sobre o amor,
Sussurre meu nome em seu ouvido,
E, faz-me o favor,
Minha cara Solidão,
Diz-lhe este recado meu:
Pede a ela que volte
Pra regar estas rosas secas
Que ela abandonou

Celso Garcia