Sintonizar

Eu não entendia nada do que ela me dizia. Na realidade, eu nunca entendi uma palavra sequer que saia da boca dela.
Em todas as vezes que esbarramos, em todas as noites que tive que respirar o mesmo ar que o dela, em tudo, eu não entendia absolutamente nada. 
A única coisa que eu queria, era saber porque ela agia daquela forma. 
Porque ela tentava ser tão Amável? Ou simplesmente com um sorriso me dizer “Eu não quero te machucar”?
Era complicado, eu me sentia inútil e fraca com ela por perto, eu me esforçava para mudar esse quadro, mas era quase impossível.
Aos meus ouvidos, o que saía daqueles lábios era semelhante áqueles ruídos que os televisores produzem quando um canal está fora do ar. Era o que eu ouvia e o que eu queria ouvir.
Mas, um belo dia, as coisas acontecem, o tempo muda e até as pedras saem do seu lugar. 
E a verdade começou a ser sintonizada dentro de mim...
A primeira frase que eu decidi entender, que eu decidi guardar e que naquela tarde de domingo fez os meus olhos se encherem de lágrimas sem fim foi: “Mas porque ela estava sozinha?”
Agora, naquela instante, eu a enxergava melhor. E eu sabia que não poderia ignorar isso, eu sabia e senti, que não poderia mais não me importar e pouco ligar para a existência dela.
Mas, como eu me aproximaria? Como eu iria pisar no meu orgulho? Eu não sabia. E até hoje, eu não sei. 
Mas de uma forma eu consegui.
Hoje eu vejo a tua imagem, ouço as tuas palavras, entendo, compreendo. 
Faço questão de andar do lado, de saber do teu dia. 
Hoje eu te guardo, absorvo.
Hoje eu faço questão de ouvir, de entender, de te guardar.

Andresa Alvez