Com esperança

E ele continua pensando nela.
E ela continua pensando nele.
Ela criou coragem e... Adicionou como amigo nas redes sociais. (Grande passo. Não.)
Ele criou coragem e mandou a primeira mensagem.
Responder agora? Esperar um tempinho é melhor. Assim não parece desespero.
Um “oi”, seguido de um tímido “olá, como vai? ”
“Bem, e você? “ Pronto. 
Longas conversas. De manhã. De tardinha. Noites e madrugadas. 
Ah, essa internet.... Quem está tão longe fica tão perto.
Novidades. Conversas banais. Links interessantes aqui, vídeos legais ali. 
Viu aquela música nova daquele artista antigo? Viu aquele vídeo antigo da artista nova?
E aquela série, hein? Maravilhosa!
Tudo para esconder a necessidade de apenas falar com o outro. Saber um pouco mais um do outro. Ter e dar atenção um ao outro.
Não precisa mais esconder. Os dois já perceberam. Mas fingem que não. 
Timidamente as conversas continuam e tentam sair do meio virtual.
Um novo encontro? Talvez.
Hoje saio mais cedo, que tal... 
Ah, não posso. Trabalho até mais tarde.
Fim de semana tem festa legal aqui, topa?
Que pena. Tenho milhares de provas para corrigir.
Ela trabalha. Ele também. As folgas não coincidem. Que chato.
Voltemos ao virtual. Tentando sempre o real.
E ele não para de pensar nela.
E ela não para de pensar nele.
Um dia ela cria coragem e marca um encontro.
Um dia ele cria coragem e fala o que sente.
Esperança. O amor sempre tem esperança.
E, algum dia, sem pensar, sem esperar, sem imaginar como seria.
Algum dia acontece e aí vai ser difícil disfarçar aquele sentimento que está guardado há tanto tempo.
Algum dia, a solidão vai embora para dar lugar àquele amor, escondido, bem quietinho, lá no último espacinho do coração.
Aí você vai ver. Vai ver um amor tão grande que não cabe aqui. Vai viver um sentimento tão puro que nunca viu por aí.
Algum dia. Algum dia...

Marina Messias