Era

Eu esperava muitas coisas de você, de nós dois, menos essa distância. Distância de coração!
Eu lembro da última tarde que passamos juntos, do cheiro do cigarro de canela, do vento frio do morro, de todos os outros casais juntos perto de nós, da visão do céu, de como eu me sentia tão em paz com você por perto. Lembro de tantas palavras que queriam sair mas que eu engoli cada uma.
É confuso tentar escrever sobre isso, sobre a sua falta, porque parece que eu não te conheço mais.
Você não é mais o garoto que sentava ao meu lado, e o problema não é que você cresceu... É que, talvez, em algum canto do seu caráter, da sua essência, você era exatamente assim como é hoje, só que esse "alguém" se escondia. E por culpa das decisões, das mudanças, das decepções, esse alguém decidiu ficar a mostra.
Mas eu, com todos os meus defeitos, o meu ciúmes, o meu cuidado, o meu zelo, o meu querer em te ver feliz, eu era a última pessoa que deveria conhecer esse alguém.
Eu lembro de todas as suas promessas, as suas juras, os teus sorrisos. Eu lembro do teu passado, das tuas fases, das tuas lágrimas; de todas as vezes que eu protegi o teu nome.
Eu lembro das tuas visitas, das nossas fotos, das tuas piadas, de como por sua causa eu dormia mal, da sua desorganização.
Eu só lembro. Eu não vivo em dobro, porque tu não vive mais aqui.

Andresa Violeta Alvez