Sol, manchas e amores

Eu sabia que ela estava levemente alterada, isso era visível em seus olhos. Mas, ainda assim, mesmo falando devagar, todas suas palavras estavam carregadas de verdades, até que pausadamente, ela continuou: 
- E ela tem uma mancha em volta do olho, sabe? - Dizia enquanto desenhava a mancha com os dedos no próprio rosto - E eu sei que ela odeia isso, mas eu Amo, porque isso faz parte dela, ela é a única garota em todo o mundo que tem isso... Isso faz dela... Única, entende? E só faz com que eu a Ame mais.

Suas palavras pausadas e tranquilas só me faziam viajar pra longe naquela madrugada. Viajar para um mundo que até então eu não conhecia...
Um me queria assim, madura, segura, independente. Já outro me queria como um pequeno animalzinho de estimação que depende do dono. Para um eu era perfeita, para outro eu era insuportável. Para um, extremamente fofa, para outro, exageradamente doce. 
E assim, me debatendo de um relacionamento para outro, eu consegui entender que o Amor está nas diferenças. Que o Amor está nas verdadeiras estranhezas da vida, exatamente naquelas que nós tanto teimamos em perder, apagar, mudar ou deixar pra trás.
Uma pessoa que Ame suas dificuldades, suas diferenças... Foi naquela primeira madrugada do ano que eu entendi isso.
Os cabelos pintados pelo sol, o sorriso tão bonito e os olhos semicerrados só me faziam crer, mais e mais, que mesmo com um mundo tão cheio de padrões, mesmo que eu esteja até hoje me debatendo de relacionamento para relacionamento, o Amor existe. Mesmo que eu não sinta, não o veja; mesmo que eu nunca tenha vivido ele da forma mais pura, verdadeira e real, eu sei que ele está aí, por aí, em algum lugar.
Talvez eu nunca o encontre, talvez eu nunca bata de frente com ele, talvez eu nunca esbarre nesse Amor em alguma esquina ou num corredor abarrotado de pessoas.
Mas mesmo que eu não acredite, alguns pessoas o sentem... Como o garoto que canta músicas tristes, como o menino que foi obrigado a deixar um Amor, como a moça que se escondia atrás das palavras, ou como a simples menina da festa, do sorriso coberto de estrelas, dos cabelos pintados pelo sol, dos olhos semicerrados e da voz tranquila. Ela sim sabe o que é o Amor.

Andresa Alvez