Criação Tua

Antes eu confundia vozes, e meu timbre fresco não conseguia se expressar com um violão desafinado.Eu não sabia qual o potencial das minhas cordas vocais... Não quebram um cristal ao vibrar, mas esquentam o teu coração, ao ponto de te fazer sorrir enquanto me vê encher o peito de notas e solta-las devagar sem muito esforço.
O ar saia pelo nariz, como se eu vivesse eternamente constipada... Depois de tanta briga e da tua relutância, pouco a pouco os sons saem todos pela boca.
A dicção não é das melhores, mas eu insisto.
Sabe-se sobre o que canto mesmo que não me ouça, basta olhar para minha expressão... 
Tudo isso é feitio teu. Minha voz chegou pela metade nas tuas mãos, chegou errante... E tu a moldaste. Colocou no lugar, me fez engoli-la e cuspir da maneira certa.
Enfiou todo o ar do mundo e falsetes gritantes nos meus pulmões, me obrigando a soltar os dois juntos na hora certa.
Minha voz é feitio teu, vaso teu, criação tua. Herança da família, presente de Deus, cordas minhas, mas ainda assim, criação tua. E é por ti que eu canto.
Cada nota terá um Amor, e esse Amor será teu.

Andresa Alvez