Não vá ainda

Não vá ainda, fica mais um pouco. Só mais algumas horas, ou dias, ou meses. A vida toda, talvez?!
Por que os segundos voaram
Enquanto você dormia
Em meu peito, serena
E adormeci feliz contigo
Nem pude aproveitar
Pra contar os planos
Que fiz pra nós dois

Está tão cedo, o sol mal nasceu. O dia convida para uma noite feliz. Por que a pressa? Fica.
Não é justo partir
Não assim, agora
Depois de me cativar
De satisfazer meus desejos
De abrir meu peito cerrado
Podes fazer o que quiser de mim
E prefere partir?

Espera, não tenha medo. Falei demais, me pus a seus pés, eu sei. É exagero, estou brincando. Desculpa.
É que sou sozinho
Tão acostumado
A viver por aí, descrente
Se me jogo em seu abismo
É porque não tenho amor
A minha vida, pelo menos não tinha
Até te encontrar

Se você se for, voltarei pro meu canto, sem nada a ganhar. Volto à vida como ela era, minha nada mole vida.
E como voltar ao deserto
Depois de esbaldar-se num mar
De sonhos e felicidade?
Antes de ir, me explique
O que fazer agora sem teus olhos
A iluminar meu caminho tortuoso
Exageradamente apaixonado que estou?

Se queres ir, vá com Deus. Por sua conta e risco. Ou me leva junto. Ou jura que vai voltar. Melhor, não vá!
Pois agora que fiz
Papel de palhaço
E te tirei um riso largo
Ficou em minha boca
Esse gosto amargo
Que viver sem teu amor
Não é viver, mas sofrer

Celso Garcia