O outro "eu" dele

A frase "eu vou te fazer sentir coisas que você jamais vai esquecer" veio nítida e clara em minha mente quando ele trancou a porta do banheiro.
Minha condição não era das melhores, por isso ele se ajoelhou bem diante de mim e me abraçou pela cintura, deixando seu rosto muito próximo do meu.
Eu não gostava quando ele fazia isso... Na realidade, para ser bem honesta, eu adorava isso. 
Eu adorava também quando ele me chamava e me beijava de surpresa, eu Amava os olhos dele que sempre queimavam depois da meia noite, eu era apaixonada pela forma como ele mordia o lábio inferior toda vez que dizia algo sacana.
O problema era que eu não estava acostumada com aquilo, e eu sei que nunca iria me acostumar, mesmo que o beijasse todos os dias; porque ninguém, no mundo, até aquele momento, conseguia provocar em mim o que ele conseguia dando um simples sorriso.
Ele encarou meus lábios por longos minutos até que finalmente, ele me beijou. 
O beijo de sempre, que tirava meu fôlego, que me paralisava, que me deixava a mercê de qualquer coisa que viesse dele.
Era como se eu estivesse imóvel, como se eu devesse obedecer todas as ordens que viessem dele, como se ele me controlasse.
E por mais sádico e doentio que possa parecer, eu simplesmente adorava isso.
O melhor lugar para estar naquele noite, era nas mãos dele.

Andresa Alvez