Na sombra da proteção

Não existe mais medo e nem pudores, deixei estes na beira do portão da tua casa, do lado do muro, junto ao lixo dos demais vizinhos.
Qualquer canto ou espaço que comporte somente nós dois sentados se torna confortável.
Os cheiros me marcam, me grudam em roupas e cabelos. Deixam meus olhos vermelhos e meus dedos ásperos.
As olheira comprovam que quase não dormi, e que por isso, fui bem mais feliz,
Quase 75 horas juntos. Para a vontade parece pouco, para nós dois parece pouco. Mas para a memória, para a eternidade, é como se fosse 75 dias.
Visito lugares novos, sento no piso sujo, sinto a pressão cair e minha pele ficar cada vez mais sensível ao teu toque tão doce, tão "sem igual".
Meus olhos semi cerrados e embaçados buscam por ti, como se meu cérebro tivesse plena certeza de que para ser feliz e para minha'lma ter paz, estes precisassem da tua imagem viva e rápida por perto, no meu foco, ao meu redor.
O dia amanhece cedo, e eu gostaria que demorasse. Desde as 3 horas da manhã ouço o canto dos pássaros.
Não existe perigo aqui, e mesmo que exista, eu não consigo o sentir. Não existe motivos para se lamentar aqui...
Eu durmo com as pernas trançadas na paz, me cubro com a sombra da proteçao.
Permito-me esquecer, pelo menos por agora, pelo menos por hoje, pelo menos por 75 horas. 

Andresa Alvez