Passado, doce passado!

Quero a nossa casa de novo. Os cômodos que entravam um no outro e nos engoliam!
Parte da mobília emprestada da sua mãe, e o buraco na parede que ficava o ar condicionado que depois de um tempo, se tornou imaginário.
Retocar a maquiagem na ponta dos pés, porque o espelho do banheiro era muito alto; e conversar enquanto você tomava banho e dizia que só não me arrastava para o chuveiro porque a minha mãe iria me matar! Fazer a sua barba em tempo record porque você vivia atrasado pra faculdade.
Discutir para decidir quem secaria a louça. Não limpar o fogão. Não beber água, ficar com os dedos sujos de doritos, gastar dinheiro que era para pagar dívidas comprando pastel.
Não levar pijama de propósito só pra dormir com uma das suas camisetas. Brigar com você no dia seguinte porque chutou a minha perna enquanto dormia.
Almoçar miojo, assistir novela, limpar a casa, comprar detergente e pedir o troco em balas de yogurte. Se assustar quando surgia uma goteira em cima do computador, estourar a conta do “mercadinho” só em bolacha, salgadinho e refrigerante.
Ter para onde fugir.
Eu preciso da nossa casa de novo.

Andresa Alvez