Livro em Cena: "A História sem fim"

Essa seção traz neste mês um dos livros que eu, particularmente, mais aprecio. Ele nos leva a visitar um mundo tão fantástico que nos faz sonhar de verdade a cada nova página. Vale a pena comprar seu exemplar e embarcar no mundo do vasto Reino de Fantasia, com sua Imperatriz Criança e muitas, mas muitas aventuras aguardando sua leitura. Nesta cena, Bastian tem seu primeiro contato com o livro que mudaria sua história de vida. Você já teve um Sr. Karl em sua vida? Se sim, vai se identificar com isso.
Boa leitura!

CENA: LIVRARIA / INTERNA / MANHà

Começamos a cena com um close na inscrição na porta de vidro da livraria, por dentro, mostrando as letras de trás pra frente, com gotas da chuva. A imagem vai se abrindo e BASTIAN abre a porta rapidamente e com força. Ele fica parado, ofegante, com a porta aberta. Num Chicote, vemos uma parede de livros e dá pra notar que tem alguém do outro lado, fumando um cachimbo. Então mostramos o SR. KARL, quieto, sentado, fumando serenamente. Ele tira o cachimbo da boca e fala: 

Sr. Karl: Ou entre ou saia, mas feche a porta. Está ventando. 

Bastian fecha a porta, agora de modo mais manso. Ele se aproxima da parede de livros e fica espiando, com olhar curioso, o Sr. Karl. Este tira calmamente os óculos e começa a examinar Bastian, e solta um murmuro: 

Sr. Karl: Minha nossa... 

Sr. Karl abre novamente o livro e volta a ler. Bastian fica desconsertado, mas continua ali, a olhar para o Sr. Karl, que se irrita e diz: 

Sr. Karl: Preste atenção, menino! Eu não gosto de crianças. Sei que está na moda fazer um grande alardio quando se trata de vocês... Mas comigo, não! Não gosto nada, nada de crianças. Pra mim não passam de uns patetas, choramingas, de uns desajeitados que estragam tudo, sujam os livros de geléia, rasgam as páginas e não querem nem saber dos problemas e preocupações que os adultos possam ter. Digo isso para que você não se iluda. Além do mais, não tenho livros para crianças e nem os venderei a você. Espero ter sido claro! 

O Sr. Karl abre novamente o livro e volta a ler. Bastian faz menção de sair, mas se detém. 

Bastian: Mas nem todos são assim. 

Sr. Karl ergue os olhos lentamente, sério. 

Sr. Karl: Você ainda está aí? Diga-me uma coisa: O eu é preciso fazer para eu me ver livre de você? O que você tinha de tão importante para dizer? 
Bastian: Não era importante. Eu só queria dizer que nem todas as crianças são assim como o senhor disse. 
Sr. Karl: Então é isso! E certamente você é a grande exceção, não é? 

Bastian fica sem saber o que responder. Ele dá de ombro e se vira para sair. Sr. Karl intervém. 

Sr. Karl: Bela educação! Isto você não deve ter muita. Senão, pelo menos, teria se apresentado. 
Bastian: Meu nome é Bastian. Bastian Baltasar Bux 
Sr. Karl: Mas que nome curioso! Com esses três bês. Mas você não tem culpa de ter esse nome. Não foi você quem o escolheu. Eu me chamo Karl Konrad Koreander. 
Bastian: Com três K’s. 
Sr. Karl: Hum!... Correto! Mas pouco me interessa como nos chamamos porque não vamos voltar a nos ver. Agora, eu gostaria de saber uma coisa. Por que é que você entrou com tanta pressa em minha loja? Parecia que você estava fugindo de alguma coisa. Estava? 

Bastian acena que sim com a cabeça. 

Sr. Karl: Provavelmente assaltou a caixa de alguma loja. Ou bateu em alguma velhinha, ou fez dessas que vocês costumam fazer. A polícia está atrás de você, rapaz? 

Bastian acena negativamente com a cabeça. 

Sr. Karl: Vamos, responda. De quem você está fugindo? 
Bastian: Dos outros. 
Sr. Karl: Que outros? 
Bastian: Dos rapazes da minha classe. 
Sr. Karl: Por quê? 
Bastian: Porque nunca me deixam em paz. 
Sr. Karl: O que eles fazem? 
Bastian: Ficam me esperando na saída da escola. 
Sr. Karl: E depois? 
Bastian: Ficam me xingando, me empurram e riem de mim. 
Sr. Karl (com ar de reprovação): E você não faz nada? Por que não lhes dá um soco no nariz? 
Bastian (com olhos arregalados): Não gosto de bater. E, além disso, não sou muito bom no boxe. 
Sr. Karl: E brigar, você também não sabe? Você sabe correr, nadar, jogar bola, fazer ginástica? Ou não sabe fazer nada disso? 

Bastian acena negativamente com a cabeça. 

Sr. Karl: Em outras palavras, você é um molengão, não é verdade? 

Bastian encolhe os ombros. 

Sr. Karl: Mas falar você sabe. Por que não responde quando eles zombam de você? 
Bastian: Já fiz isso uma vez... 
Sr. Karl: E o que aconteceu? 
Bastian: Eles me colocaram numa lata de lixo e amarraram a tampa. Fiquei chamando umas duas horas até que alguém me ouviu. 
Sr. Karl: Hum... E agora você não se atreve a fazer novamente a mesma coisa. 

Bastian acena positivamente com a cabeça. 

Sr. Karl: Tudo isso quer dizer... Que você é um medroso. 

Bastian abaixa a cabeça. 

Sr. Karl: Mas aposto que você é um bom aluno, não é? O melhor da classe, que só tira dez, o preferido dos professores, ou não? 
Bastian: Não. No ano passado eu repeti. 
Sr. Karl: Pelo amor de Deus! Então você é um fracasso total. O que é que dizem quando zombam de você? 
Bastian: Não sei. Tudo o que lhes vem à cabeça. 
Sr. Karl: Por exemplo? 
Bastian: Gordo, gordão! Parece um balão! Quando sobe na árvore se esborracha no chão. 
Sr. Karl (leve sorriso): Essa não tem muita graça. E que dizem mais? 

Bastian vai dizer, mas hesita. Só depois de pensar, fala. 

Bastian: Maluco, cabeça de vento, mentiroso, convencido... 
Sr. Karl: Maluco? Por quê? 
Bastian: Sabe, às vezes eu falo sozinho. 
Sr. Karl: E o que é que você fica falando? 
Bastian: Imagino histórias, invento nomes e palavras que ainda não existem e outras coisas assim. 
Sr. Karl: E você conta essas coisas para você mesmo? Por quê? 
Bastian: Porque não interessam a mais ninguém. 

Sr. Karl cala-se por um momento, pensativo. 

Sr. Karl: E os seus pais, que dizem de tudo isso? 

Bastian pensa um tempo antes de responder. 

Bastian: O meu pai não diz nada. Nunca diz nada. Não quer saber de nada. 
Sr. Karl: E a sua mãe? 
Bastian: Já não está conosco. 
Sr. Karl: Os seus pais são separados? 
Bastian: Não. A mina mãe morreu! 

O telefone toca em outro ambiente. O Sr. Karl, se assusta e levanta para atender, deixando Bastian ali, sozinho. Bastian olha a loja inteira, admirado com tantos livros. Então ele se detém vendo o livro que estava com o Sr. Karl, e que agora está na poltrona. Em um close, vemos a capa do livro, com duas serpentes se engolindo. Uma negra e uma dourada. No centro, escrito “A história sem fim”. Quando vemos novamente Bastian, ele se assusta e olha para um relógio que está na parede. 

Bastian: A escola! Estou atrasado para a aula. 

Bastian começa a ir para a porta, mas fica indeciso. Olha novamente para o livro. Ele pega o livro e o olha fixamente, passando a mão pela capa. Num rompante, ele guarda o livro em seu casaco, protegendo-o e sai correndo da loja. O Sr. Karl chega e vê a porta batendo forte. Ele olha na poltrona e não vê o livro, e solta um sorriso leve, olhando novamente a porta. 

CORTA PARA: