Solidão, porque me quero!

A solidão é um ponto de vista.
Isso te choca? Pois não devia.
E é assim como várias outras formas humanas de interação.
Estar sozinho é mais que recusar-se a estar com os outros.
Talvez fosse necessário que todos tivessem momentos assim.
Sim, em algum momento da vida, é preciso.
Solidão é muito mais que não ter com quem conversar.
É uma oportunidade de se conectar consigo mesmo.

Não única porque pode se repetir em nossas privadas histórias.
Mas, se aproveitada, é o momento em que podemos nos enriquecer.
Ora, por favor! Não digo aqui que só assim enriquecemos.
O que aprendemos no meio social é imprescindível.
Mas, muitas vezes, por interagir demais, nos esquecemos de nós.
Esquecemos de nos respeitar.
De ouvir nossos limites físicos.
E também os psicológicos.
A sociedade nos impõe certos padrões de comportamento.
Nas diversas fases da vida, um papel condizente ao “normal”.
Nascemos, crescemos, amamos, casamos, procriamos, morremos.
Individualidade é aceitável, mas dentro dos padrões.
O que foge à rega é motivo de piadas, boca pequena...
É assunto da conversa de pé de ouvido entre “amigos”.
E, muitas vezes, para não ser motivo, cedemos aos padrões.
Esquecemos que temos nossa particularidade.
Que temos nosso próprio “eu”.
Não quero aqui pregar o isolamento.
Mas, pare! Ouça-se por um momento.
Mas com honestidade.
Dispa-se das máscaras e das armaduras da sociedade.
Sirva-se, nú em alma, a si.
E aprenda consigo mesmo o que você quer da vida.
Quer ser tudo? Pois seja.
Não quer nada? Pois retenha-se.
A liberdade de momentos solitários é muito poderosa.
Quando ninguém nos vê, podemos ser ou não ser.
Antes de curvar-se aos desígnios do contrato social de Hobbes.
Antes de ceder sua liberdade em prol do bem comum.
Antes de permitir que te digam o que fazer e como agir.
Se permita ser você.
Ser o que seu íntimo pede, dentro de você, que torne-se.
Muitas das pessoas que se tornam o que a sociedade não quer
Vivem conflitos homéricos dentro de si.
Por não se entenderem, não se respeitam...
E acabam por não respeitar o próximo.
E terminam por deixar de amar o mundo e a vida.
E cultivam amargura!
Por não poder ter...
Por não poder ser...
Antes de tomar para si uma missão que te é dada.
Se ouça.
Se é isso que você quer, siga em frente.
Se não, mude de direção.
No mundo sempre haverá uma estrela de sua vida.
Um norte para seguir.
Mesmo que, no meio do caminho, precise mudar de estrela.
Se você aprender a se escutar.
Vai se entender melhor.
E certamente há de concordar comigo.
A solidão é apenas um ponto de vista.

Leonardo Távora