As belezas pela internet: "Rabiscos ou vida"

Este mês mais uma vez é para mostrar o talento e a profundidade dos textos do "Camarim" da Mayara Almeida, uma blogueira de mãos cheias. É de encher os olhos. Quando li o texto abaixo, foi inevitável que me emocionasse com cada linha. Espero que assim seja também com vocês. É realmente de se admirar.
Boa leitura!

*****
Rabiscos ou Vida
Mayara Almeida

Sujei de lágrima o papel, desenhei em mim um rio transparente, onde a pele do meu rosto era o fundo desse rio e escorregava pensamentos barranco abaixo. Eles são tão vivos que posso sentir o gosto salgado. Uso as mãos para enxugar o rosto . É assim que tenho me sentido, resgatando pensamentos que escorrem, o que tem me cansado bastante. As noites têm sido difíceis, e nos meus impulsos me vem por vezes o cheiro da fumaça do cigarro, o gosto da nicotina que eu posso sentir nítido na boca vazia, me faz preparar um café forte e fumar o café a tarde toda. 
Durante todo o tempo, as nuvens passam pela minha janela e eu abandonada no meu quarto, o olhar perdido na imagem que parece ser pintada para essas horas de angústias ou desejos de cigarro que respiram o ar limpo. 

*(as vezes me embaralho com tantos lembretes espalhados por mim, consciente ou inconscientemente: tatuagens, grifos de mim; cordões que trazem a antiguidade pra perto, confundindo as pessoas de que tenho fé em santos; os olhos, sempre cheios de escritos e papéis, muitos papéis soltos, rasgados, grandes, amassados, dobrados em quatro). 

Noutro dia, desamassava uma folha de papel e espreguiçava umas duas ou três vezes, como faço sem perceber, antes de começar algo, é um modo de esticar o corpo pois tenho ido para a vida carregando o peso de muitos rabiscos no papel - pode não parecer, mas um papel rabiscado pesa como ossos no corpo.