Sentimental e Viscoso

Há poesia pura no sexo. No gênero e no ato. Em todas as suas formas. Em toda a sua duração. É lamentável haver ainda tantos tabus com tantas coisas. Alguns enxergam desejo, outros reprodução, passatempo, ou nem mesmo o enxergam como algo necessário. Porém há quem julgue determinada ânsia e querer uma aberração.
Pois, junte-se á mim todo aquele que for á favor de toda manifestação sexual de desejo e Amor.
Liberte-se de si! Dos seus conceitos cheios de poeira e pré-conceitos saídos do forno. Vamos além! Vamos pintar e escrever!
Desenhemos as curvas, o desenho dos ossos, a disposição dos rostos. Permita-se descobrir texturas!Cabelos, pêlos, dedos. Cílios, lábios, mamilos e barbas.
Dance! Deite, role, agache, estique, abra, feche, enrijeça, relaxe.
Exponha! Silhuetas, caretas, gemidos, ruídos, suspiros, gritos, manifestações sonoras desconhecidas.
Explode! Tapeie, puxe, belisque, arranhe , implore, suplique!
Enlouqueça. Perca-se no mais estimulante e poético sentido: O olfato. Delire no perfume, no hálito, no corpo, na dela, no dele, nos nossos, nos deles, nas dobras, nos pés, nos lençóis.
Suicide-se.
Sinta fluir.
Deixe emergir.
Sentimental e viscoso.
Respire, Ame.
E então, comece tudo de novo.
Mesmo que seja todos os dias com a mesma pessoa.
Mesmo que seja todos os dias com alguém diferente.
Mesmo que seja só na sua imaginação, ao avistar delícias na rua.
Mesmo que seja com você mesmo.
Mas, que seja.
Façamos.

Claudio Rizzih