Livro em Cena: "As três Marias"

É sempre um motivo de grande alegria para mim chegar a mais uma edição do “Livro em Cena”. Sinal que os trabalhos apresentados aqui tem agradado a vocês que aparecem por aqui para ver as novidades. Muito obrigado mesmo! Este mês decidi homenagear a primeira mulher que se tornou uma imortal da Academia Brasileira de Letras: Rachel de Queiroz. Cearense com um coração do tamanho do Brasil, essa escritora, se viva fosse, completaria este mês 100 anos. Mais que apenas apresentar o bom romance “As três Marias”, esta edição serve de homenagem mesmo ao tamanho do talento de Rachel de Queiroz, ao qual me rendo de corpo e alma. Procurem-no! Adquiram-no! Divirtam-se com ele.
Esta é uma cena muito delicada do livro. Eu, particularmente, gosto de cenas onde a expressão dos atores se dá para além da fala. São inclusive mais complexas, tanto para escrever quanto para se atuar. Claro, não é só porque o livro fala em seu título de três Marias que eu colocaria uma cena das três. Não é este o foco. Apresento duas. Raul vai começar a pintar um quadro de Maria Augusta, e tudo é muito feito nas expressões. Espero que eu consiga passar a vocês o máximo delas, para que possam visualizar esta cena da melhor maneira possível. Ah! E lembrem-se de que este roteiro é minha visão da cena do livro. Boa leitura!
 


----------
CENA: APARTAMENTO DE ALUISIO E RAUL / DIA / INTERIOR 

Maria José e Maria Augusta chegam ao apartamento. 
Elas estão ansiosas. 
Aluísio abre a porta. 



Aluísio: Que bom que chegaram. Entrem! 



Raul adentra a sala, e, ao ver Maria Augusta, sorri. 



Raul (apontando para o banco): Senta ali, Guta. 
Maria Augusta: Ah! Sim... 



Maria Augusta senta-se no banco. 
Maria José vai para perto da tela. 
Aluísio está entretido com uns livros. 
Raul começa a estudar o rosto de Maria Augusta. 
Maria Augusta olha para Maria José enquanto ele a observa. 
Maria José sorri, prestando muita atenção a tudo



Aluísio (olhando para Maria José): Senta aqui no divã? É melhor. 



Raul se senta para começar a desenhar Maria Augusta. 
Aluísio continua entretido, e ignora que Maria José esteja ao seu lado. 
Maria José está observando tudo, boquiaberta. 
Raul olha para Maria Augusta concentradamente. 
Maria Augusta fica estática, mas os olhos procuram Maria José sempre. 



Raul: Fique caladinha que vou desenhar a boca. 



Maria Augusta fica quieta, mas com vontade de se mexer. 
Raul está muito concentrado na boca de Maria Augusta. 



Maria Augusta: Posso ver? 
Raul: Não venha! Não vale a pena. Ainda está um borrão. 



Maria Augusta sai da posição, e vai movida pela curiosidade. 
Maria José vai junto, para ver. 



Raul: É extraordinariamente difícil dominar sua boca. 



Eles sorriem. 



Raul: Será sempre assim? 



Maria Augusta sorri, envergonhada. 
Maria Augusta volta para sua posição. 
Maria José continua atrás de Raul, vendo-o desenhar. 
Aluísio vê Maria José atrás de Raul, mas não diz nada. 
Raul ajeita Maria Augusta novamente, e volta a desenhar. 
Maria José está tão absorvida pelo desenho que acompanha Raul em tudo, quase como uma sombra. 
Raul apaga alguns traços, e continua a desenhar. 
Maria José não percebe que está incomodando Raul. 
Raul começa a não conseguir mais fazer o desenho, incomodado com Maria José o vendo. 



Aluísio: Vamos parar. Guta deve estar cansada e eu não dou mais coisa nenhuma. 



Maria José suspira com pesar. 
Raul cobre a tela. 



Raul: Vamos deixar o esboço dormir. 
Aluísio: Querem ver o álbum que falei? 
Maria José: Quero sim! 
Maria Augusta: Ah! Vai ser muito legal. 
Raul: Vocês vão adorar as imagens. 



Os quatro sentam-se no divã para ver o álbum, que esta na mesinha ao lado. 
Maria Augusta deixa os três vendo o álbum e vai até a tela. 
Maria Augusta vê um monte de rabiscos, e acha tudo muito feio. 
Maria Augusta fica chateada com o que vê. 
Raul chega por trás, sem fazer barulho, Mas Maria Augusta logo o sente. 



Raul: Agora, quando você sair daqui, não me sentirei mais tão só. 
Maria Augusta (decepcionada): Mas eu me acho tão diferente aí... Nem me reconheço. 
Raul (sorrindo): E o conteúdo interior? 



Maria Augusta olha para a tela novamente, e começa a gostar um pouco do que vê. 



Raul: E isso, eu creio que apanhei. Consegui mesmo registrar a melhor de suas expressões, e esse seu meio sorriso de lábios descaídos. 



Maria Augusta sorri, e olha para Raul. 



Maria Augusta: Temos que ir. (olhando para Maria José): Vamos? 
Maria José: Ah, sim. Vamos. 



E as duas se despedem em coro. 



Maria Augusta e Maria José: Até mais! 
Aluisio e Raul: Até! 
Raul (olhando para Maria Augusta): Até a próxima sessão.