Um tempo pra tudo

Hoje vi uma árvore antiga com folhas viçosas, novinhas em folha. Lembrei dos dias em que ela era apenas um monte de galhos retorcidos sem o verde alegre, quase fluorescente, que faz a harmonia com as cores das flores que enfeitam o jardim. Por algum tempo, esta árvore parecia morta, seca, feia até. Não transmitia vida à paisagem. Aliás, é importante dizer que não era por causa daquela árvore apenas que a paisagem não estava bonita. Nem o azul do céu se conseguia ver naqueles dias. Os pássaros também tinham parado de cantar. 
Estávamos no inverno, e, naturalmente, para enfrentar este período, esta árvore perde sua folhagem. É uma defesa dela. A natureza sempre sabe como enfrentar as intempéries que advém de si mesma. Cria mecanismos para proteger cada ser que a compõe das mudanças de temperatura. Assim como cada clima tem o seu tempo para durar, cada ser vivente precisa saber suportar os períodos em que as condições não lhe são favoráveis. A sabedoria não consiste em ser capaz de falar e, com isso, transmitir pensamentos para seus semelhantes. Sobreviver é uma lição diária que todos precisam aprender.
Existem pessoas que reclamam de tudo. Se está frio, é um horror. Calor também não é bom. Chuva é detestável, mas um sol aberto e intenso é igualmente ruim. Parece que nada está bom. Se passa tanto tempo reclamando da vida, que se esquece do primordial para todo mundo que está no mundo: viver! Sim, a cada momento que passamos nos preocupando demasiadamente com as vidas dos outros esquecemo-nos de valorizar nossa própria vida, nossos momentos de satisfação, que dão prazer e alegria, combustíveis das pessoas. 
Eu olhava aquela árvore revigorada. Estava tão calma, tão paciente, que seu renascimento se dava de modo tão intrínseco e fortificado, assim como são densas e duráveis as coisas que fazemos, e que deixam nossas vidas irremediavelmente da maneira que é, seja para o bem ou para o mal. Somos frutos de uma construção, seja ela pessoal ou social. E nossas escolhas, se não são bem pensadas, e atropelam o tempo certo para existir, fazem de nossas vidas algo que talvez não desejássemos, mas do qual não podemos correr mais. 
Chico Xavier, certa vez, falou uma coisa muito certa, que dizia mais ou menos que não podemos voltar ao passado e modificar nossas vidas, mas podemos, a partir do presente, fazer as escolhas que nortearão nosso futuro. É uma verdade! Assim como aquela árvore que se prepara para renascer depois do inverno, nós temos capacidade de também nascer para uma nova vida, a partir das nossas novas escolhas. Cabe a nós fazer o que deve ser feito para que tenhamos as alegrias e prazeres que queremos em nossas existências. 
Tudo na vida tem seu tempo. Assim como aquela árvore que espera pacientemente, preparada, o frio inverno passar, e ressurge forte e altiva, com suas folhas novinhas, também nós precisamos parar um pouco para pensar em nós. Existem momentos de expansão, de alegria incomensurável, assim como existem também os momentos de fechamento e reclusão, até mesmo para que possamos nos avalia, e, no momento que voltamos à vida, estarmos plenamente revigorados, com novos planos e projetos de vida, que tanto nos deixarão animados como mais inspirados. 
Família, profissão, amizades, amores, tudo só depende de nós e do que desejamos escolher para nossa existência. Faça um momento de reflexão. Faça suas escolhas. Nesse jogo de ação e reação, o tempo encaminhará as coisas do modo que você procurou escolher. 
Permita-se!

Leonardo Távora