Logo ali

Ok. Tudo bem! Entendo se você não quiser mais me ver. Será que acabou tudo? Não sei. Acho que você também nem sabe. Talvez você até tenha mesmo razão. Tem momentos em que achamos que cansamos de alguém, de amar... Principalmente se somos contrariados, se esse alguém nos provoca qualquer desconforto, ainda que momentâneo. São os desgastes normais das relações. Isso acontece. Com todo mundo, sei que acontece. Claro que não seria diferente comigo. Mas, se eu puder te pedir só uma coisa, apenas uma e nada mais, quero somente que você pare e faça uma retrospectiva nos últimos tempos da sua vida.
É sim. Quero que você relembre os momentos de nós dois. Quero que você se recorde das tantas noites animadas pelas conversas gostosas, nunca deixando um assunto ficar chato. Dos muitos dias que vivemos juntos nesse carrossel maluco chamado existência. Das nossas brincadeiras que aos olhos dos outros poderiam parecer muito estranhas. Ah, como era bom poder rir ao seu lado, me divertir em sua companhia. Nesses momentos as horas parecem voar. Na verdade, elas podem mesmo voar, pois nem as percebemos. As horas contadas para os nossos momentos são detalhes. O que fica não é o cronológico, mas a intensidade dos bons momentos que vivemos juntos.
Quero que você tente se lembrar daqueles dias em que você não estava bem, com muitos problemas, ou com aquela dor de cabeça chata, que a incomodava. Pois é. É desses momentos ruins que eu quero que você possa lembrar agora. Quem esteve ao seu lado nos momentos difíceis? Quem segurou a sua mão quando você teve medo do futuro, desse futuro que era nada mais que uns instantes além do presente que vivemos? Naqueles dias tristes, acinzentados, era eu quem lhe dava força, assim como eu sei que tinha em você o chão quando era isso que me faltava. Uma base sólida, firme, que me segurava quando minha vontade era não mais viver.
Agora você entende? Acho que sim. Não é porque algo, em um dia ruim, não deu certo, que o mundo acabou ou que a vida não existe mais. É claro que não estou dentro de você para sentir a realidade que você enxerga. É o seu jeito de ver a vida. Mas se ainda me for permitido te dar um conselho, ele será para que você viva, que sinta a intensidade de cada momento. A vida não é feita apenas de momentos bons e agradáveis, mas dos ruins também, daqueles que nos dão medo. Muitas vezes aprendemos quando decidimos viver, e não apenas lamentar quando as coisas não dão tão certo.
Então, viva! Sinta cada momento do seu dia. Aprenda com seus erros, e não apenas os jogue na caixa daquilo que precisamos esquecer. Muita gente aprende com os próprios erros. E não ficam sofrendo porque erraram. Eles nos chateiam, sim, mas não devem ser jamais a fonte de autoflagelação. Servem para serem absorvidos como aprendizado, assim como são fonte de crescimento cada coisa boa que acontece nas nossas vidas. Me desculpe as longas palavras, mas eu precisava te falar isso. É um desabafo, eu sei, mas se você puder levar consigo cada um desse amontoado de frases que lhe disse, e nelas pensar, já será muito bom.
Ah! E não se esqueça... Um dia, quando achar que é oportuno, estarei logo ali. Afinal, o amor tem dessas coisas... É paciente e tranquilo, e não se apaga ao primeiro adeus. Eu te dou o seu tempo para pensar.