Diz aí: Quem de nós dois?

Eu e você
Não é assim tão complicado
Não é difícil perceber...
Quem de nós dois
Vai dizer que é impossível
O amor acontecer...

Ah! Quando duas almas se encontram, muito além do simples gostar de dois corpos, a vida fica mais bonita, com cor, com alegria. O amor, definitivamente, não é um sentimento que nasce no primeiro olhar. Nem em novelões isso acontece. O que ocorre à primeira vista é algo parecido com a paixão, efusiva, cheia de desejos, movida pela atração implacável entre duas pessoas. Dessa paixão nasce o amor, ou não. Tudo pode simplesmente não passar de uma noite muito boa, mas que acaba ao primeiro raiar do sol. Mas, sim, dali pode o amor nascer e crescer.

Se eu disser
Que já nem sinto nada
Que a estrada sem você
É mais segura
Eu sei você vai rir da minha cara
Eu já conheço o teu sorriso
Leio o teu olhar
Teu sorriso é só disfarce
O que eu já nem preciso...

Com o amor vem o relacionamento. Ele serve basicamente para você ter a certeza de que é capaz de amar essa pessoa aí do seu lado. Qualquer relacionamento sem amor acaba virando um inferno, pois quando a paixão, efêmera, se vai, e ali não brotou o amor, brigas são inevitáveis, pois o amor é o reflexo da maior capacidade humana de suportar os erros do outro. Todos somos cheios de manias. Ocorre que, quando amamos alguém, simplesmente passamos por cima dos seus caprichos. Eles se tornam pequenos perto de tudo o que queremos construir juntos.

Sinto dizer que amo mesmo
Tá ruim prá disfarçar
Entre nós dois
Não cabe mais nenhum segredo
Além do que já combinamos
No vão das coisas que a gente disse
Não cabe mais sermos somente amigos
E quando eu falo que eu já nem quero
A frase fica pelo avesso
Meio na contra mão
E quando finjo que esqueço
Eu não esqueci nada...

Então ficamos cientes que o amor existe, mas, por algum motivo, somos impedidos de viver com a pessoa amada. Talvez por medo, insistimos em não contar que amamos. Só que isso nos sufoca de tal maneira, que chega o momento em que não aguentamos mais, e contamos. Pode ser tarde. No momento em que segredos vão por terra, outro alguém pode ter chegado, e o vazio da negativa desse amor certamente é o pior de tudo. Amigos? Talvez, depois de um tempo. A verdade é que quando se ama, se quer viver o amor. Qualquer outro sentimento é muito pequeno perto do grandioso amor. Quando se ama sozinho, é melhor esquecer... Se você conseguir!

E cada vez que eu fujo, eu me aproximo mais
E te perder de vista assim é ruim demais
E é por isso que atravesso o teu futuro
E faço das lembranças um lugar seguro...
Não é que eu queira reviver nenhum passado
Nem revirar um sentimento revirado
Mas toda vez que eu procuro uma saída
Acabo entrando sem querer na tua vida

E fugimos do amor como tem gente que foge da cruz. O coração fica apertado. O mundo fica acinzentado. Perdemos a esperança. Tudo de legal que se viveu com esse amor fica guardado na memória. Pode virar uma memória afetiva, sim... Mas não é sempre que vemos isso acontecer. De verdade, caro leitor, sinto que enquanto tivermos memória de um amor que passou significa que ainda desejamos um dia revivê-lo. E não adianta, que isso não vai sair de você de uma hora pra outra. Só o tempo pode apagar um grande amor. Às vezes, nem ele consegue. Tem pessoas que se fazem presentes em nossas vidas a cada dia, mesmo que estejam de nós cada vez mais distantes. Bom? Ruim? Sinceramente, não sei.

Eu procurei qualquer desculpa pra não te encarar
Pra não dizer de novo e sempre a mesma coisa
Falar só por falar
Que eu já não tô nem aí pra essa conversa
Que a história de nós dois não me interessa...
Se eu tento esconder meias verdades
Você conhece o meu sorriso
Lê o meu olhar
Meu sorriso é só disfarce
O que eu já nem preciso...

E a vida adora nos pregar peças. Geralmente quando lutamos para apagar um amor que não deu certo, para testar, em alguns momentos o destino, amigo íntimo da vida, insiste em nos colocar de frente para o passado. Tentamos fugir, disfarçar, mas aquela pessoa que um dia tanto amamos está ali, em nossa frente. Se ainda existir um pouquinho de brasa nas cinzas desse sentimento, não adianta correr, pois o fogo voltará a crescer em labaredas cada vez mais altas. Se você ama, de verdade, não vai conseguir ficar impassivo diante dessa personificação do seu amor. E aí, tudo é percebido, pois esse amor te conhece, lá daquele relacionamento que falei no inicio. Tudo em você é reconhecível...

E cada vez que eu fujo, eu me aproximo mais
E te perder de vista assim é ruim demais
E é por isso que atravesso o teu futuro
E faço das lembranças um lugar seguro...
Não é que eu queira reviver nenhum passado
Nem revirar um sentimento revirado
Mas toda vez que eu procuro uma saída
Acabo entrando sem querer na tua vida

Por vezes o passado pode voltar e se fazer presente novamente. Tem gente que até ja tinha perdido as esperanças de reviver um velho amor, e, de uma hora pra outra, se vê plenamente feliz, vivendo ao lado da pessoa que sempre quis, que sempre lhe fez feliz, ainda que ausente. Outras nunca perdem as esperanças. Por mais que esse amor esteja muito distante, e talvez até feliz vivendo uma outra relação, para os esperançosos, um dia o amigo destino, que não é vidente de esquina, se encarregará de trazer pra perto a pessoa amada.
Eu? Ah, eu acho mesmo que faço parte do segundo time. É, sou um esperançoso. Acredito no dia em que o coração me dará a grande felicidade que certo dia senti, em um passado não tão distante.

(“Quem de nós dois” (La mia storia tra le dita), música original de Gianluca Grignani e Massima Luca, e versão em português de Ana Carolina e Dudu Falcão)