Panorama Criativo do Futuro

Estas linhas contam como humanos, entendidos, acadêmicos, liberais, sem conceitos pré-formados, partiram em guerra contra o nazismo, a ditadura e a prepotência. Toda e qualquer semelhança com a vida real será pura e simples coincidência, pois isso tudo aqui não passa de produto exclusivo da imaginação e da criatividade desse autor que lhe escreve. Reais são apenas a ditadura com a Lei de Segurança, as máquinas de repressão, as prisões cheias, as câmaras de tortura do obscurantismo, e nossa guerra "velada" mundial, desencadeada pelo narcisismo humano em seu pior momento.

O bom senso morreu! Triste notícia. Só não mais triste que os fatos que o futuro nos demonstra. Na hora exata em que a esperança feneceu, combalida pelos duros golpes a ela aplicados, chegou, alvoroçado, à sala de reuniões dos povos para comunicar a fúnebre e ingrata notícia, o que iniciou a movimentação das forças, o ferroviário Elias, também conhecido por Profeta. Ele estava suspenso no ar, pendurado por alguns cabos, talvez. Estranho pensar em um homem voando? Existem coisas ainda mais estranhas no mundo. Atletas, baluartes, queriam que Profeta citasse nomes, revelasse segredos e trouxesse a paz. Curiosamente, algumas coisas não perdem seu tempo, nem seu lugar. Elias era só um mensageiro, e o povo o achou santo e fazedor de grandes milagres.
As pessoas não souberam, nem nunca aprenderam isso, lidar com as forças para superar o desalento e o desespero. Elias foi desacreditado e tristemente insultado porque as pessoas não queriam alguém que as alertasse dos seus destinos, mas que fizesse por elas, as levando à reboque da vida, quando a vida é, na realidade, propriedade de quem faz com que ela aconteça, não brinquedo de quem por ela apenas passa.

Diante de tão patético panorama, como levar a sério os mais profundos desejos dos homens, e emprestar a eles outro significado além das futricas e falatórios habituais? Gente ilustre, personalidades exponenciais na vida cultural, todos lidam com a mortalidade do corpo, os títulos, Mas pouco cuidam do bem da própria alma, tudo isso concorre para que a disputa de egos exaltados seja ainda mais um episódio de ressonância global, por vezes motivo da mais ruidosa e áspera competição. Cabe a quem não participa dessa guerra infame, observar sem agredir, e reagir na exata proporção com a qual seja tomado pelas forças do "não querer".

Leonardo Távora