Poeta, Poetinha

E por falar em saudade
Onde será que você está?
O que será que veem seus olhos
Que a gente não vê?
Será que se cabe em verso
Tudo que existe na eternidade?

A coisa aqui não tá linda
Mas tem sua graça
As ruas e esquinas andam perigosas
Mais ainda abrigam poetas
De mesas de bar

Tem certos dias
Que dá orgulho dessa gente
Que evolui como em nenhum tempo atrás
Inventam coisas que melhoram nossa vida
Mas, amigo, acontece que de repente
Nos perdemos no nosso atraso social
E sentimos que talvez não valha a pena
Somos assim, com mal e bem, em algum lugar

Queria ter sua certeza
E não ter mais desilusão
Diga-me se aí tem também tristeza
Se alguém tem aí mágoa no coração

Se aprendi com você que
É melhor ser alegre que ser triste
Que a alegria é a melhor coisa que existe
Mas poesia só se faz com um pouco de tristeza
Com certeza,
Assim se faz um samba com beleza

A bênção, poetinha!
Saravá, Vinícius de Moraes

Leonardo Távora