Medo do frio

“I will not let anything take away
What's standing in front of me.”

É como se tudo na minha vida passasse por um processo, como se cada um tivesse uma missão, e nenhum destes que aparecem tem o dever de fica para sempre... Principalmente aqueles que eu Amo mais que a mim.
Mesmo com mais de três anos juntos lidando com mudanças de cidade, de características, com namoros extremos, com loucuras, com vícios e todo o resto; quando algo novo surge parece que estou ouvindo essa notícia pela primeira vez na vida.
O diferente dessa vez é que eu levei alguns dias até processar todas as informações... Talvez pelo fato de que desde o primeiro dia desse novo ano, eu tenho a cada passo que dou injeções de choque que me dão vontade de me atirar do primeiro prédio que aparecer na minha frente.
E esses dias, por mais insano que possa parecer, eu até olhei de cima de uma sacada do terceiro piso de um lugar qualquer e vi no chão um pedaço de salvação chamando por mim. Mas hesitei.
Todo lugar perigoso parece um pouco atrativo. Parece lá, escondido, ter um pouco de paz que ninguém mais consegue ver.
Eu não sei como agir, como proceder com a minha agenda, o que fazer para os dias se arrastarem... Quando eu me der conta, o inverno estará ai, e ao que tudo indica, vai te levar de mim. Vai me tirar o ar mais uma vez. E pelo mesmo motivo: para que outro respire.
Que o Amor me perdoe, mas é injusto isso! Eu não mereço isso! Por mais psicótica e vingativa que eu possa ser ou que eu consiga ser. Eu não mereço isso. Eu nunca fiz nada escabroso para ser merecedora disso tudo!
É quase outro dia, e eu decidi deixar as palavras saírem junto com as lágrimas. Decidi manchar meu peito com essa dor escura pra ver se assim ela vai embora.
E se ele é o Excesso eu sou o Medo, a Dor, a Angústia... A Ansiedade.
Como uma mãe espera um filho, eu esperarei pela estação fria do ano. O fato é que diferente da mãe, eu não esperarei com alegria nos olhos. Eu deixarei ir, e duma vez cortarei o cordão umbilical que nos une... Dessa vez talvez, por um tempo maior que todos os outros. 
Eu temo isso tudo. Eu temo o que a tua ausência poderá fazer comigo. Eu temo essa distância fria que irá nos separar. Eu temo as negras, as loiras, temo as vozes, os falsetes e os graves também, temo as flores, os cachos. Temo as Violetas que possam surgir.
Oh Saint, me darás mais uma pesada Larva para cuidar?

Andresa Alvez