Do outro lado do rio

Do outro lado do rio
Existe um lugar meu
Breve travessia
Tão longo adeus

Nas beiras em que estive
Com a alma faminta
O oco da desilusão
Saudade crescente, infinita

O leito em que o rio se deita
Do meu é tão diferente
O dele deságua ao sul
Que o meu alguém oriente

As águas que passam por mim
Carregam-me vida afora
Derivo, divago, me perco
Meu barco, sem remo, ancora

Do outro lado do rio
Ali, onde está o meu lar
Repouso nele os meus sonhos
É lá onde eu quero estar

Celso Garcia