Caído

Acredito em anjos desde que meu entendimento faz jus a minha memória.
A figura de anjos na minha família, foi sempre implantada como seres de luz, que vem nesse mundo cheio de perigos e tristezas para cuidar de nós.
Minha mãe ensinou que eles são nossos amigos, companheiros. Que independente de onde estivermos, eles vão estar ao nosso lado.
Quando eu era criança, lembro de ter visto um anjo certa vez. Mesmo ninguém acreditando em mim, eu tenho certeza que ele era real.
Mas, eu cresci. E acho que por culpa do pecado plantado na minha carne, não consigo mais ve-lôs como via antes. Mesmo assim, ainda acredito que os seres de luz estão ao meu lado, me cuidando e guiando.
Agora, com 22 invernos, sei que existem anjos que posso tocar...
Apenas um destes tem meu coração. E que bobagem a minha dizer isso, já que ele praticamente não quer nada de mim. E nem é por mal, eu sei disso.
Nos atuais dias, ele parece ser livre do desejo carnal. O que falta nele vem pra mim.
Fico feliz dele ser caído e fazer parte do meu mundo. Fico feliz daquela noite fria em que ele sorriu, parecendo tão... Puro, sem pecado.
Engano o meu! Entre nós dois, ele poderia me fazer conhecer os caminhos maus. E também poderia me livrar dos mesmos.
Tão independente, vivo.
Tão “só dele” e nada meu. Que frase triste.
É interessante se sentir apegada a alguém que promove o desapego. Ai que clichê! Mas é essa a verdade por trás daqueles olhos multicoloridos.
Agora estou aqui, querendo a sombra de alguém maior que eu. Sentindo o desejo de me guiar por passos que estão tão longe. Querendo ver na cama extensão e contar todas as estrelas do corpo.
Não Amar. Só ter.
Anjos caídos não são tão ruins assim... Numa noite, você pode conhecer um que vai te roubar e sem nem saber disso.
Você vai ser sincera demais, e ele vai te levar a sério.
Ele vai partir seu coração com cada uma das suas verdades, e nada vai mudar.
Você vai ver um sorriso e tudo vai passar.
Anjos caídos são anjos bons, o meu é.
Não. Meu não. 
Andresa Alvez