Quem diria

Todos os precipícios, buracos. Todos os fins, todas as curvas. Tudo me leva até você, até mesmo os becos sem saída.
Isso poderia significar algo ruim, mas não, não é. Porque pela primeira vez em revoltos 21 anos, não tem um fim.
Pela primeira vez, a princesa de ossos de cristal só vai chorar se ela quiser. Só vai se permitir chorar se for de alegria.
Ele transformou o filme de terror num conto de fadas. E me fez crer que princesas existem.
Quem diria, alguém conseguir colocar um coração de vidro no lugar. Quem diria, a princesa ser Amada.
Quem diria todo o passado não passar de um triste pesadelo. Quem diria ser ele.
E até agora, eu não consigo crer.
Não consigo crer, que alguém colocou meu coração no lugar. Não consigo crer, que alguém se apaixonou por uma boneca de cristal que passou a vida envolta em faixas, coberta de trincas e rachaduras. Quem diria, existir uma princesa assim.
Quem diria? Ele diria. Ele disse. E ele diz. Me diz, todo dia.

Andresa Alvez