Saudades de um ano bom

Minhas palavras de hoje são não menos que de agradecimento. A todos e a cada um de vocês, que viajaram em cada novo texto nas coisas que eu escrevi. Que bom poder compartilhar meus devaneios literários com vocês, levando-os ao meu universo fantástico, povoado de personagens que eu amei dar vida através dos posts deste blog. É incrível escrever, e com uma sucessão de frases não apenas fazer nascer gente, com pensamentos e emoções próprias, mas passar sentimentos que eu escrevo e publico aqui, e que cada um de vocês sente aí, nesse mundo todo.
 
2010 foi um ano de consolidação do Literatura Exposta. Que bom ver tudo isso ganhar essa dimensão que eu jamais esperei que pudesse dar quando fui instado a criá-lo. No início era apenas para ser uma espécie de gaveta virtual minha. Claro, não posso deixar de lembrar Claudio Rizzih, grande amigo, que posso dizer sem medo de errar, que foi o maior incentivador da criação deste espaço como ele é: público e democrático, dando a todos a oportunidade de se expressarem sobre cada uma das histórias que eu publiquei. É, meu amigo, "se a gente não sonhar, a vida é só pagar pra ver” 
Personagens que me cativam pela singularidade que têm. Sonhadores, românticos, tristes, alegres, empenhados, artistas, de ideias concretas e temperamento forte, intempestivos, calmos, encantadores. Cada novo texto trouxe a expressão do amor, da amizade, do respeito ao próximo e ao mundo em que vivemos. De um sonhador nascem pessoas que tem uma história própria e uma dinâmica singular. No coração e na mente de outros sonhadores, que voam ou mantém os pés no chão, eles conseguem ganhar vida, em cada um de um jeito diferente, seja divertindo, seja emocionando, seja trazendo à tona sentimentos que, por vezes, insistimos em manter à margem de nossas vidas. 
Desejo um 2011 cheio de realizações a cada um de vocês, e que possamos nos encontrar aqui sempre, para vivermos juntos ainda muitas aventuras que serão colocadas no papel, nos fazendo, por alguns minutos de leitura, viver em um mundo diferente, talvez até melhor q nossa realidade. 

Feliz 2011!!! 
Obrigado por tudo. 

“Porque se chamavam homens 
Também se chamavam sonhos 
E sonhos não envelhecem”
(Milton Nascimento - Clube da Esquina nº 2)