Então é natal!

É natal. Época em que as pessoas costumam estar mais receptivas aos bons sentimentos, que não estiveram presentes por um longo período durante o ano. Sem dúvidas, uma época muito boa. Um momento em que os seres humanos deixam de ser duros com os outros e consigo mesmo. Desse modo, se permitem serem mais receptivos, e se deixam sentir os bons desejos que lhe mandam através de cartas, cartões, bilhetes, e demais formas. 
Não é raro vermos reconciliações familiares se darem no natal, sempre relatado por estas pessoas como obra do espírito natalino, que abrandou os corações e permitiu uma aproximação dos brigados. O problema é que todos se acham quase que na obrigação de serem tomados pelo espírito natalino, e ficam maquinando uma maneira de demonstrarem que estão “bonzinhos”, ajudando uma instituição que nunca mais eles verão na vida, recebendo em sua casa um parente que o incomodou o ano inteiro, e com o qual não tem uma relação boa.
Para alguns, o natal é uma época muito bonita, e representa somente coisas boas. Os mais religiosos dirão que é o momento máximo de lembrar-se daquele homem que chegou para salvar a humanidade. Para estes, Jesus Cristo é o maior anfitrião da festa, até porque é nesse dia que se comemora seu aniversário. Para outros, menos ligados á religião, mas ligados às diversas manifestações de espiritualidade, esse é o momento mais propício para se fazer uma retrospectiva do ano que passou e ponderar o que se poderá ser melhor no ano que entra. Daí vale inclusive lembrar da festa pagã do solis invictus, que os romanos realizavam neste dia e que foi, posteriormente, absorvida pelos cristãos. 
Logicamente, para outros ainda, é apenas um feriado. O bom é poder descansar do trabalho, e curtir os dias de folga bebendo muito, comendo muito, e se divertindo, extravasando as alegrias contidas em seu dia-a-dia. Não estão errados, assim como não estão errados os que desejam pensar na vida nesse dia. Mas ninguém pode tentar se enganar, dizendo que não fica feliz com o feriado, para poder diminuir o stress causado pelos dias de intenso trabalho. É claro que, afora a importância cristã ou não do natal, as pessoas desejam brincar, rir de si mesmas, num êxtase de euforia que normalmente elas não têm em sua vida cotidiana. 
Ah! E temos também aqueles ávidos por um dar presentes, que usam o natal para inventarem amigos ocultos, inimigos declarados, ou mesmo para trocar presentes com as pessoas cuja presença apreciam. Além dos que odeiam a data e dar presentes não passa por sua cabeça, assim como não esperam receber. Tem gente que simplesmente some do mapa no natal. Certamente existe um componente afetivo que lhes façam agir desse modo, mas o fato é que não gostam dessas festas, e não fazem questão de estar em família no dia. 
Seja para o que for o natal é sempre muito mais que um momento de trocar presentes. Trata-se de um dia único, em que temos um mundo que ao menos se deseja coisas boas. É ter a certeza de que, ao menos por um dia em nossas vidas, temos a certeza de que as coisas podem ser melhores. Muitas pessoas só param para pensar nisso nesse período. E que bom que param. Isso é bom, porque, ao menos uma vez no ano, podemos ter a certeza de que a maioria dos humanos é capaz de pensar no próximo. 
Feliz natal, e um próspero 2011, cheio de sucesso e realizações a todos! 
Vamos fazer o futuro que desejamos ter, pois só depende de cada um de nós.