As belezas pela internet: "Um copo de cólera"

Olá, amigos leitores. Chegamos a mais um mês dessa divertida aventura que tenho aqui: Escrever. Estou muito feliz com a boa recepção que estou tendo de vocês. Sinto que o trabalho está seguindo no caminho certo, e isso é, sem dúvidas, um regozijo para mim. Neste mês, como já é praxe, começaremos lendo um texto interessante que vi nos blogs que visito. Aqui trata-se do novo e bom "Labiar", um blog muito bem construído pelo Matheus Colen. É um autor que escreve de um modo dinâmico, como outros que ja passaram nesta seção, como, por exemplo, o Enrique Coimbra, que aliás, tem um texto no "Ironias Sociais e Tais" que me gerou a dúvida sobre qual texto colocar aqui no inicio de Maio. E já que a proposta é divulgar um parceiro, fica a dica para que sigam esse blog incrível. Aqui, Matheus fala de um dos livros mais interessantes que eu mesmo já li: "Um copo de cólera", do incrivel Ruadan Nassar. Esse livro inclusive ja virou filme, estrelado por Júlia Lemmertz e Alexandre Borges. Boa leitura:

Um Copo de Cólera - Ruadan Nassar
Cada vez que leio um livro procuro absorver alguma coisa dele além da história que está me contando. Como tenho um grande interesse por esse lance todo de literatura e de contar histórias, quanto mais referências eu tiver nessa área mais ferramentas poderei utilizar para desenvolver minhas narrativas. Não digo isso no sentido de que meu objetivo seja o de imitar estilos de autores consagrados, mas sim de aprender com seus acertos. O texto de Raduan Nassar me impressionou pela densidade que possui.
Cada palavra contida em ‘Um copo de cólera’ é sabiamente utilizada e posicionada no texto. A narrativa corrente, que dispensa os parágrafos e emprega um fluxo de idéias bastante intenso, nos remete imediatamente ao estilo de literatura de Saramago. Contudo os autores estão longe de serem iguais. Enquanto o escritor português avança nas suposições fantásticas, o paulista transforma atos simples em cenas repletas de detalhes e significados.
Usando o personagem principal como narrador até o penúltimo capítulo, temos a sensação de entrar na mente de um homem bastante inteligente e perturbado ao mesmo tempo. O livro relata a briga de um casal após uma noite de amor. A cena de sexo é rica em detalhes. Raduan soube descrever a relação sem precisar apelar para a facilidade de metáforas baratas ou palavras explícitas. Realmente interessante. Destaco aqui o trecho selecionado pelo editor para ocupar a contra capa do livro:

“… e estava assim na janela, quando ela veio por trás e se enroscou de novo em mim, passando desenvolta a corda dos braços pelo meu pescoço, mas eu com jeito, usando de leve os cotovelos, amassando um pouco seus firmes seios, acabei dividindo com ela a prisão a que estava sujeito, e, lado a lado, entrelaçadsos, os dois passamos, aos poucos, a trançar os passos, e foi assim que fomos diretamente pro chuveiro.”

Essa obra se tornou filme em 1999, dirigido por Aluízio Abranches e estrelado por Alexandre Borges e Julia Lemmertz. Livro pequeno, instigante, denso e que tem muito a ensinar para quem pretende contar suas próprias histórias.