Àquela que te ama além do amor

Mãe... Mamãe... Mãezinha... Palavra tão pequena e tão cheia de significado. É engraçado pensar, mas se tem uma criatura que merece sobremaneira um dia só para si, é a mãe. Sim, pois até os grandes mestres do mundo vieram do útero de uma mãe. Tão certo quanto saber que um dia vamos todos morrer, é saber que viemos das entranhas de uma mulher, que nos acolheu por nove meses, com dores, por vezes agüentando nossos chutes em seus órgãos internos, e no seu coração, depois que nascemos e crescemos.
Sim, elas suportam até a ingratidão dos seus filhos. E como somos ingratos na nossa vida. Não apenas com nossas mães, mas na vida em sociedade, no geral. Mas é a ingratidão que mais pesa, pois esse é o único ser humano que nos ama de verdade desde que nascemos, e de graça. Nunca pede nada em troca. NADA! Assim é a mãe de cada um de nós. Pais podem não ser tão próximos. A criação machista e patriarcal que recebemos muitas vezes nos impede de viver de um modo mais feliz com nossos pais. Isso não acontece, ou pelo menos não deveria acontecer nas relações que temos com nossas mães.
Incompreensíveis. É o que achamos delas reiteradas vezes, principalmente na nossa adolescência. Ocorre que as mães são os seres humanos que mais falam da criação de seus filhos para que saibam viver no cruel mundo de hoje, mas são elas as mais difíceis de desapegar de sua cria quando é chegada a hora fatídica da separação. Os filhos precisam viver suas vidas, e construir suas famílias. Mas o coração delas não compreende, porque ama. E por muito amar, não quer ver-se longe, ainda que o longe seja apenas a uma rua de distância. É próprio do amor, não um defeito de nossas mãezinhas.
Enfim, muitas são as formas de descrevê-las. Mas nenhuma é completa, porque nossas mães são humanas como nós, e são complexas como nós mesmo o somos. Ao invés de tentar entendê-las, o melhor é amá-las. É o amor mais puro que pode existir no mundo, pois é um amor que transcende as próprias barreiras do amor. O amor de mãe talvez não possa nem ser chamado amor, pois é maior que o próprio sentimento do amar. Precisa-se de um novo nome que define tudo o que elas sentem por nós e que também sentimos por elas. Um dia é o mínimo que podemos fazer por nossas mães. É pouco para o que elas merecem. Um dia é apenas um dia. E passa, até que venha um novo ano, com suas novas mesmas datas.
Mãe é mãe! Isso não tem como traduzir em palavras. Hoje, dê um abraço muito forte em sua mãe, e não lhe diga nada. Mesmo porque ela não precisa que você diga. Ela já sabe! Ela te entende completamente, e te aceita assim como você é. Ela te conhece da ponte dos dedos do pé ao último fio de cabelo. É sua mãe. Não precisa de um mundo, só precisa do mundo dela: Você.
Feliz dia das mães, para elas e para nós, que temos o prazer de, com elas, conviver.