As belezas pela internet: "Tempo, Vazio..."

Esse foi um mês um tanto quanto complicado para mim. Escolher o texto que abriria o mês de fevereiro, nesta seção, foi muito difícil, pois neste janeiro eu tive a oportunidade de ler coisas muito boas, como, por exemplo, no blog “Ironias Sociais e Tais” do Enrique Coimbra, que, embora seja um amigo muito querido, não figuraria aqui se não tivesse um blog inteligente e, sobretudo, interessante. Quem merece uma menção aqui também é a Mayara Almeida, do blog “Camarim”, que tem textos primorosos, e nos fazem sair da nossa realidade e viajar com suas palavras e sentimentos. Mas o escolhido foi o texto do Thiago de los Reyes, do “Shoebox”. Ele faz ultimamente aparições muito tópicas em seu blog, e com textos de uma sensibilidade ímpar. É incrível como ele consegue dar ênfase às frases, de modo a despertar sentimentos nas pessoas, e, com isso, tornar o texto algo poético, como se o próprio leitor se sentisse inserido em cada frase. É isso que dá o gosto da leitura, pra mim. Vale visitar este blog e curtir os textos que estão lá.
Acho que escolher essa seção ficará mais difícil ainda nos próximos meses, com os novos blogs que passaram a figurar da minha lista neste mês. Todos muito bons. Visitem!!!

---------------
Tempo, Vazio...
Por Thiago de los Reyes

Existe um vazio.
E ele não quer ser preenchido...
Nem sequer pretendido.
Existe porque assim deseja ficar
Porque existe uma sombra nesse lugar...
Um perfume, um pedaço...
Uma vontade...
Um silêncio que não quer se calar sozinho dentro de mim.
Existe um vazio que não está sozinho...
Há nele o som de outro ar...
E nesse ar tem um quebra cabeça embaralhado...
Tem fotos que não saem do lugar...
Um som que não se desfaz.
Hoje tudo é saudade...
E a saudade é um tempo que parece não passar...
A esperança é um tempo que nunca chega...
E o tempo é um tempo inocente porque não destruiu nenhum sonho...
Só mostrou que muitas vezes não existem caminhos pra se chegar no tempo chamado imaginação...Que ficou pra trás junto com o tempo da nossa infância.
E nesse jardim, já colheram todas as flores de felicidade.
É um novo tempo.
Um tempo que não deixa muito tempo.
Um tempo que não tem certeza do seu tamanho
Que não cabe no meu relógio...
E que não ocupa o outro lado da minha cama
Nem tira o seu lugar dos meus sonhos.