Temperança

Não há melhor moderação que na temperança
É o tempero da nossa efêmera vida
Que nos faz senhores do nosso prazer
E não dele eternos escravos
Para livres desfrutarmos a liberdade
E mesmo com os diários desafios
Sejamos repletos dessa virtude
Sem jamais fazer qualquer confusão
Entre pacifismo e debilidade de caráter.

É só dar tempo ao tempo
Pois tudo tem seu curso natural
E as coisas que são nossas
Para nós virão, sem pressa, 
Nem tampouco vagareza,
E tudo que é construído sob a temperança
É bem mais sólido e duradouro.

Saber usar o momento da ação sensível
É uma singela arte, inconfundível,
É conseguir passar pela tempestade
Com a confiança e a esperança
Porque na temperança
Existe a nossa tal serenidade.

Para realizar, juntar forças
As do mundo, e as de dentro
Pois, para todo sucesso
Deve existir o domínio
Que reside ali, mesmo em nós
Para que tudo
Que seja absolutamente tudo
Verdadeiro.

Leonardo Távora