Anima Mea

Passam os tempos sim, e nessa vida, tudo se passa
E fica sim, no fim, sua capacidade de nos amar
Difícil sou, e eu sei que te dei trabalho
E mesmo dando trabalho, sente gratificação
E aqui nenhuma palavra nunca será suficiente
Mesmo porque, no final, isso é o nosso amorUsamos palavras, e as palavras nos usam
Estúpido é quem pensa que as dores também não ensinam
Seguimos juntos, e sempre perto, mesmo longe
Porque a gente se encontra e se conhece
No fundo somos iguais
Quando você procura minhas mãos
Me dá calma para mais um dia
Para eu não escapar do seu olhar
Me ensinou meus sonhos perseguir, e não me desviar
Talvez você nem entenda o quanto eles me valem
Talvez eu possa te dar o mundo que eu desbravo
E se de mim você discorda, lá, no silêncio da chuva
Da minhas manias feitas em uma base um pouco distorcida
Te direi, somos iguais, e eu tenho você
Porque sem pedestais não podemos ficar em pé
Nunca é tarde para trilhar caminhos e querer fazer planos
O seu coração é a sua bagagem, onde sei que estou
E você tem todas as qualidades que eu desejo
E os defeitos que eu amo
E cacos de uma vida construída, como tenho os meus
Talvez você me olhará, no amanhã
Pra se alegrar com tudo que eu consegui
Então talvez você entenda, mesmo que não precise
Que posso te dar o mundo, além em mim existe
E eu só queria dizer que nosso amor assim
E saber que mesmo quando a gente se entende menos
No fundo, mãe, nós somos iguais

Leonardo Távora