O primeiro (alfa)beto

O sol está quase nascendo. 9 meses depois, tempo pra formar uma vida, mas no nosso caso, tempo para morrer, e de novo.
Eu pensei em colocar alguma música triste para me fazer escrever, para me fazer vomitar pelos dedos tudo que sinto, mas não consegui pensar em nenhuma; então, optei pelo silêncio, porque com ele, o sofrimento fica mais forte.
Céus, como a tua saudade me dói! O som da tua risada, o teu jeito desastrado de ser.
Todos os nossos almoços, as nossas tardes. Os detalhes tão seus que só eu reparava, como você ficava lindo com o cabelo molhado depois do banho, e como a sua voz e o seu olhar mudavam depois de me beijar; como eu gostava sempre de te ver fumar e como eu odiava falar com você logo cedo.
Como eu adorava te roubar do mundo e trazer só para o meu, deitar na minha cama enquanto você falava alguma besteira, esperar você me beijar de surpresa.
Te beijar na piscina, na rua, no meu portão, te beijar na sua cama, na cama dos seus pais, na cama dos meus pais, na sala, na escada, no banheiro... Só te beijar.
Irmãos, primos, amigos, casal; cada um nos via de uma forma, e era engraçado.
Tantos e tantos segredos, guardadinhos aqui dentro. 
Textos, vídeos, fotografias. Visões lindas que fizeram meus olhos ficarem baixos, música alta para não ouvir o barulho das válvulas do carro.
O fim já chegou faz tempo, eu só ainda não consegui me acostumar com ele. És ferida aberta, e quando está quase fechando, alguém sem querer bate e a casquinha cai.
Sempre me perguntam de você, porque antigamente, um sempre sabia onde o outro estava, como estava.
Hoje eu não sei mais....
Tem dias que eu acordo pensando em ir para a frente da sua casa com uma faixa gigante com alguma frase nossa escrita, mas eu não sei se isso te faria chorar ou voltar.
As vezes, quando ninguém está olhando, eu peço aos céus para que você sinta minha falta tanto quanto eu sinto a sua, para que um dia desses eu seja surpreendida com algum sinal teu, com algo que me faça pensar que eu não passei na sua vida em vão, e que de vez em quando, você também vê uma foto minha ou ouve algum áudio especial que eu mandei pra você.
Não deu tempo de viajar, de enlouquecer em algum quarto de hotel; não deu tempo de te Amar do jeito que eu queria e de te pagar todas as dívidas.
Não deu tempo nem de me despedir num abraço apertado e dizer que eu fui e que sempre serei a pessoa que mais te Ama.
Eu sei que você não vai me ler, mas no fundo, a minha alma acredita no contrário.

Andresa Violeta Alvez