As belezas pela internet: "Cassino Coração"

Último mês do ano merece um blogueiro pra fechar com chave de ouro, né? Foi pensando nisso q eu trouxe  dessa vez Glauco Wiltenburg, um ator paulista que faz sucesso no Beto Carrero World, em Santa Catarina, e que eu tive o imenso prazer de conhecer, por intermédio do Claudio Rizzih, que também escreve aqui e faz muito bonito no parque. Nas horas vagas, Glauco escreve no ótimo Mistura Feita. Tem uma sensibilidade ímpar. Ao ler "Cassino Coração", eu não tive dúvidas de que deveria mesmo dividir com os leitores do nosso Literatura Exposta
Boa leitura!

Cassino Coração
Por Glauco Wiltenburg

Que meus olhos são de lume
Meu cassino coração
E na noite sempre assumem, cor azul no tom neon

Iluminam o carteado
Onde vale bom cascalho
Onde vale jogo bom, jogo desses sem ladrão

Tanta luz parece dia
Sensual, bem quente ou fria
Me embebedam de emoção, tomo drinks disso então

Os aplausos, risos, fogo
Marcam a locomoção
De uma gente animada, pra roleta da paixão

A paixão é como a noite
Quente ao passo de esfriar
Que vestido mais vulgar, esse que quero apostar

A vulgar então me olha
Prateada no open bar, roda aquela maquininha
As moedas a jorrar, e só tende a ganhar, e só tende a ganhar...

Viro os olhos eis que vejo
Homem velho no bingão, um charuto a queima boca
O acompanha a solidão

Uma risada de estalar
No meu ouvindo, vermelhidão
A vulgar vai celebrar, a vitória do velhão

Tantas lá, tantas pra cá
Roupas caras, visto, é bom
Mas champagne não vou pagar, pois sou puro de emoção

O que eu gosto é brilhar
Meu cassino coração
O que eu gosto é acordar, celebrando o dia são.