Críticas de um Adolescente: Músicas Somem?



Sabe quando se escreve um texto sobre cinema as 2h45 de uma manhã de sexta ouvindo "You give love a bad name", sendo que você precisa ir comemorar o aniversario do seu melhor amigo em exatas 10h, e ainda por cima você esta em uma ótima fase com a sua namorada? Bem, cara, você precisa ao menos estar feliz. E eis exatamente como eu me sinto! Feliz com um bom momento e perspectiva de um dia maravilhoso. O que isto tem a ver com minha critica de hoje? Nada, com toda certeza. Mas eu queria escrever isto em algum lugar, aqui está.
Voltando para o mundo normal, sem devaneios, o filme de hoje é 'Entre abelhas'. Não sei bem definir se gostei do filme ou não. Acho que sim. Mas algo aconteceu. Eis que eu tenho um nome para o que aconteceu: A sina do comediante. Sinceramente, você já viu algum comediante fazer um drama de sucesso? Eu não. Sabe o porque? Ora, você olha para a cara do ator e não consegue esperar que ele vá ser dramático e não cômico! Um ator dramático consegue fazer viagens ao mundo da comédia, mas a comédia é feliz de mais para o drama... Desculpe, Fábio, você não nasceu para o drama. Bem, se nasceu, é tarde mais para voltar atrás. A música mudou. Agora é "Let Her Go". Sim, isso não faz o menor sentido, mas comecei a contar o que ouço, então continuarei assim. Continuando... Fábio Porchat tenta fazer um drama com alívios cômicos, logicamente. Dá certo, e o filme é simplesmente fantástico, profundo, apelativo, emocionante, e com um bom enredo e roteiro. E o Fábio atua bem! Só que a reação em toda a sala de cinema foi a mesma. Todos esperavam uma coisa que não era verdade! Todos esperavam risos, todos esperavam que o personagem iria agir de uma maneira, por ser um personagem do Fábio! E ele não agiu... Ele fez o que devia... Não o que queríamos. Não sei se isso é algo exatamente ruim, mas eu me senti incomodado, e me fez aproveitar o filme bem menos do que eu queria, ou até mesmo gostaria. "A Beautiful Life" está tocando agora. Deus, eu adoro essa música, eu preciso realmente parar de fazer isso. Preciso? Bem de qualquer maneira essa foi minha crítica que me cheira mais a um conto hippie, mas infelizmente foi o que saiu de meus dedos. Bom dia/tarde/noite.

Obrigado!

Victor Nunes