Engrenagem

É de transformar sonho em pedra
É de quebrar coração de vidro
É de secar a inocência no rio da vida
É de fazer sombra no que antes era luz

Eles querem ser donos do mundo, e são
Eles querem domar leões e cervos, e domam
Eles querem poder, dinheiro, ouro, e conseguem
Eles querem a si acima de tudo, e lá chegam

Pobre de quem está no caminho (inseto)
Pobres almas à beira da estrada (penadas)
Pobres dos que não se dão conta (absortos)
Pobres flores pisoteadas (por gigantes)

E nunca houve escudo ou abrigo
E nunca haverá fim nesse sofrer
E nunca antes foi diferente
E nunca será enquanto o mundo girar

Pois para o mandante há quem obedeça
Pois para cada explorador, haverá um explorado
Pois para tudo existe seu oposto complementar
Pois a vida é assim e não muda jamais

Repete-se o começo, independente do fim
Repete-se o ciclo, sempre foi assim
Repete-se a forma, o conteúdo, a sorte
Repete-se, no fim da vida, a árida morte

Celso Garcia