Quando a calma é solução

João sempre foi um cara muito intrigante. Dono de uma tranquilidade ímpar, ele tinha o poder de acalmar a ansiedade das pessoas. Para tudo quanto há ele tem sempre uma mesma resposta: “Espera o momento certo”. Claro que isso pode variar, de acordo com o grau de intranquilidade de quem estava falando com ele. Mas o semblante tranquilo não mudava. Isso o conferia um respeito que poucos possuem nessas conturbadas relações humanas. 
Seus amigos acabavam sempre se aconselhando com João. E isso vinha desde a juventude. Depois de acertar quase sempre, qualquer coisa que ele falava era seguida. E, mesmo quando a situação acabava dando errado, João, calmamente, e na conversa, descobria o ‘fio solto’ que atrapalhou as intenções de quem desejava. E a paz de espírito conferiu a ele um poder maior que o de quem se digladia em brigas de qualquer ordem para dizer que manda em certo número de pessoas. 
Com o passar dos anos, João se tornou uma espécie de guru de gente muito importante. Ele mesmo nunca quis nada disso, mas era um bom meio de sobrevivência, uma vez que não enganava ninguém dizendo que enxergava o futuro. O mote de João era o psicológico. E quando essa área nossa está bem organizada, não há quem possa impedir nosso intento. De algum modo que aqui não me cabe dizer, João sabia disso desde muito novo. E usava isso ao seu favor. 
Ah, mas se engana quem achou que ele só colecionava amigos. Às vezes, acertar dói, e as verdades não são sempre bem recebidas pelas pessoas. Um mundo de máscaras sempre se apresenta mais apropriado à vida em sociedade. João não tinha isso. E essa atitude lhe custava. Caro! Mas, tudo na vida é questão de escolha, e ele escolheu ser assim. É preciso saber aguentar as reações que recebemos por nossas escolhas. E, pra ser bem sincero, esse tipo de coisa nunca incomodou profundamente o João. 
Esse é um homem que fez de sua vida uma contramão do que se apresentava ‘aceitável’ em nosso mundo. Fora convidado inúmeras vezes para caminhos fáceis. Mas sempre preferiu os potencialmente mais complexos. E não acertava sempre quando o assunto era o autoconselho. Aliás, e geralmente, quando o conselho é para si mesmo, a chance de enganos é ainda maior. Mas sabia o momento apropriado para tudo. Inclusive para errar. É importante saber errar também. Ele sabia medir apropriadamente as coisas, as palavras, os tons. Em todos os momentos, ele sabia. 
Para quem espera um exemplo dessas coisas todas que aqui falo do João, acho que vou decepcionar. Ele é o exemplo do que você deve ser. Existe um João dentro de cada um de nós. Alguns o sufocam. Outros o superestimam. Mas ele existe dentro de você. Nós somos o João de alguém, e o de nós mesmos. Ás vezes, somos quem pede conselhos ao João. Geralmente somos assim, afoitos, ansiosos. 
Calma! Tenha paciência e espere o momento certo. Tudo se ajeita se você souber que cada ação sua pressupõe uma reação, seja se alguém próximo, seja de quem você nem conhece. Não é bom fazer tudo de modo atabalhoado. É preciso esperar o tempo certo das coisas acontecerem. É preciso estar preparado para quando algo que não desejamos surge. 
Quando for o seu momento, então, saiba ouvir os conselhos do João que existe dentro de você. Ele está sempre falando. Talvez já seja hora de ouvi-lo mais atentamente. 

“O mundo vai girando
Cada vez mais veloz
A gente espera do mundo
E o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência...” 
(Lenine – Paciência)

Leonardo Távora