Que vem pra ficar

Ter alguém me faz sempre pensar na frase “não estar só.” É isso que me vem a mente toda vez que penso em passar a vida do seu lado.
Eu sempre me sinto muito sozinha a noite. Durante uma festa ou depois dela. Na hora de dormir, quando acordo de madrugada procurando por alguém que não existe na minha cama. Nos momentos de sede, de todas as sedes que se pode sentir, de todas as formas possíveis de saciar. Ter é saber que isso não existirá mais. É lembrar que existirão duas cabeceiras.
É saber a marca de cigarro que você mais gosta e sempre deixa-lo perto de onde estás.
É acordar as 02h da madrugada e sentir uma mão tocando meu quadril, ou simplesmente despertar com algum ruído seu.
É não tomar mais cafés da manhã sozinha. É aprender a dividir as grandes e pequenas coisas.
Ter é saber que as noites não serão mais tão assustadoras, e que eu não me sentirei mais insegura no escuro.
Ter é sempre saber que existem dois perfumes no mesmo lençol, é lembrar de não tropeçar nas roupas um do outro, é saciar a vontade com um simples olhar. Ter é desocupar o lugar do medo, é o espaço debaixo do teu braço ou no teu ombro.
É a visão matutina da cara amassada.
Ter é sempre ter. É saber que em algum lugar do mundo existe uma alma que faz parte da sua.
 
Andresa Alvez