Coisas Da Vida: "Deus Tempo"

Tempo, deus cruel,
Como não retrocedes
Te peço que pare!
Em meu rosto
Já vejo teus sinais
Desgosto!

Recuso (renego três vezes)
A figura do espelho
Sulcos, rugas
Cabelo branco
Flácida pele
Reflexo duro e franco

Implacável Tempo,
Tenho tanto a fazer
Não se esvaia tão depressa
Não me aparte do bom amigo,
Que fiquem em casa os filhos
Não me deixe só contigo

Piedade, deus Tempo
Porque sou um simples mortal
Que eu aprenda a conviver contigo
Seja lento, frutífero e manso
Para que te aproveite ao máximo
Até meu derradeiro descanso

Celso Garcia