A própria felicidade

Na vida existe um momento para tudo.
Para agir, e para calar.
Tempo de sorrir, de brincar, de ousar.
Em perfeita igualdade com a introspecção.
Para todos estes momentos existem os amigos.

Esses são os irmãos que a vida nos permite escolher.
Amigos são nossos pilares.
Os compartilhadores das nossas risadas.
E os melhores ombros que seguram nossa barra.
Ao lado dos amigos podemos ser nossa verdade.
É junto deles que entendemos o que é companheirismo.
E também o que é bem viver.
Pois é com os amigos que experimentamos muitas boas coisas.
E também que dividimos nossos pesados fardos.
E não, caríssimo, amizade não é amor.
O amor também nos proporciona muitas dessas sensações.
Mas este é um sentimento conflituoso, bravio.
Eu ousaria chamar de “montanha-Russa” do coração.
Amar é viver na corda bamba.
Cada um tem seu jeito de amar.
Não dá para dizer que um ama mais que o outro.
Embora isso seja recorrente em discussões afetivas.
Entender e conviver com isso é o que dá o sabor ao amor.
Mas amigos não precisam cobrar amizade o tempo todo.
Ela existe e isso basta.
É um sentimento mais tranquilo, mais perene.
Assim como é muito bom sentir-se amando e sendo amado,
É incrivelmente reconfortante saber que se tem um amigo na vida.
Quem os tem, e neles pode confiar, sabe que não vive sozinho.
Quem tem amigos tem em si a própria felicidade.

Leonardo Távora