Ou Flor

E as cicatrizes não são suficientes. E nada parece ser bom o bastante. Nem as histórias, os olhos, os cachos, os dedos.
Volte a ser semente, deixe a flor morrer, talvez seja necessário agora.
Canta chorosa, minha pequena.
Cantar espanta os males e não as dores, disso eu bem sei, mas tenta.Rega teu solo com essa tristeza, com essa melancolia desnecessária que colocaram em ti.
Eu sei, não merecias, e não mereces. Deverias ser feliz pra sempre, mas, as ervas daninhas parece não deixar.... O jardineiro esqueceu-se de ti.
Volte a ser semente. Se protege em baixo da terra, lá, o mal não te alcance. É calmo, escuro, seguro pra ti. Não cresce, fica aí. Faz o tempo parar.
É melhor, assim não sofre. Assim o jardineiro segue. E cuida de outras flores, e faz novos jardins.
Tu eras uma flor complicada demais pra ele.
Se fecha, ficai.
Ele vive, e tu fica. É melhor assim.
Talvez tu não nascesses pra ser flor... Talvez fruta, talvez mato. Sem jardineiro não tem como saber.
Mas, espera pequena. Permanece onde é seguro, nenhuma flor fica sem cuidado.
Teu jardineiro há de chegar, te fazer crescer, florescer.
Te fazer flor, não fruto, não mato. Flor!

Andresa Alvez