Inventando: "O reencontro"

Esta é uma cena mais para o teatro. As rubricas que coloquei não fazem menção a deslocamento de câmera, ou ótica do personagem. É um diálogo sob um palco vazio, como se não houvessem espectadores durante a cena. Faz parte de uma peça que desenvolvo chamada "Assim como a luz do teu olhar". Rafael e Letícia já não são mais jovens descobrindo os prazeres da vida. Eles já tiveram sua história, e alguma coisinha ficou disso tudo, e o impulsionou a procurá-la quando ela passa com sua companhia de teatro pela cidade dele. Um reencontro cheio de alegrias e memórias de um passado bom.
Boa leitura!

CENA: PALCO DO TEATRO - VAZIO

RAFAEL (Homem com cabelo bem cortado, usando óculos e roupas mais fechadas) está esperando por LETÍCIA (Uma mulher de estatura mediana, cabelos ondulados, com uma margarida na cabeça, e um vestido floral claro), sentado no palco. O ambiente já tem pouca luz. Ele fica olhando para o cenário, que ainda está lá, desenhado ao fundo, pensativo. Ela chega por trás dele e o dá um susto. 

RAFAEL 
(Se recompondo do susto) 
Eu achei que você não vinha mais. 

LETÍCIA 
Nossa! Eu nem demorei tanto assim. 

RAFAEL 
É verdade... (olhando a flor no cabelo dela) Guardou as flores? 

LETÍCIA 
Claro. Coloquei num vaso pra não murchar. Fiquei muito feliz mesmo de você ter lembrado que eu sou apaixonada por aquelas margaridinhas... E do meu creme corporal também, né! 

RAFAEL 
Eu não lembrei. Pra lembrar eu teria que esquecer primeiro, certo? 

LETÍCIA 
Certo... Espertinho. Mas me conta? O que você tem feito? 

RAFAEL 
Eu ando por aí, lutando pra realizar meus sonhos. Tudo o que eu sempre quis fazer em minha vida eu to conseguindo. E to descobrindo que posso fazer coisas novas também. Alguém (aponta com a cabeça para Letícia) me disse uma vez que levo jeito pra escrever... Eu acreditei nisso, e tô levando a sério mesmo. 

LETÍCIA
Coisa boa. 

RAFAEL 
E você? O que tem feito? 

LETÍCIA 
Trabalhando muito. Atuando. Recebendo convites para peças. Aos poucos vou me tornando conhecida. O pessoal tá me descobrindo ainda, nesse mundo louco que vivo. Mas to muito feliz com tudo que já conquistei. Você sabe que... 

RAFAEL 
(interrompendo)
Que você não é de sonhar com os pés no chão! 

LETÍCIA 
Isso. Com essas palavras mesmo. Afinal... 

RAFAEL 
(interrompendo novamente) 
As estrelas só flutuam! 

LETÍCIA 
Mas você, hein... Me decorou. 

RAFAEL 
Não, eu nunca te decorei. Só procuro entender você. E foi te entendendo que passei a te amar, do seu jeito e... Mas isso é só pensamento de um romântico bobo. Liga não. 

LETÍCIA 
Eu to gostando. Pode continuar! 

RAFAEL 
Ah! É que eu já te falei isso tanto. Não quero ficar chato. Essa é a noite do nosso reencontro. Não é pra ficarmos falando do passado. Ainda mais do passado que eu idealizei, enquanto você vivia, acho que até muito bem. Melhor que eu, pelo menos... 

LETÍCIA 
Ai, como você é dramático! 

RAFAEL 
Não é drama... Não é tanto assim. Eu sou o que eu sinto e o que eu penso. Se isso parece drama, não posso fazer muita coisa. 

LETÍCIA 
Isso é verdade. Eu sei como lidar com você, porque você sempre demonstrou o que sentia. Disso eu nunca pude reclamar. 

RAFAEL 
(Surpreso com a naturalidade dela) 
Pois é. Essa minha transparência toda é o que acabou comigo. Aposto que você desistiu de mim por isso. Achou drama demais. 

LETÍCIA 
Rafa, as coisas não são tão simples assim... 

RAFAEL 
Claro que é simples, Letícia. Você quem complica tudo. Sempre complicou. Lembra quando você quase desistiu dos seus sonhos pra... 

LETÍCIA 
(interrompendo) 
Lembro, Rafa! (ela fica séria) Mas não foi você quem disse que hoje não é dia de ficarmos falando do passado? 

RAFAEL 
Sim, eu disse. 

LETÍCIA 
Então me convide para fazermos alguma coisa. Que acha? Afinal, essa é sua cidade. Você deve conhecer isso aqui muito bem... Melhor que eu, pelo menos! 

RAFAEL 
Hum... Boa idéia! Vamos sair. Mas... Você vai embora hoje ainda? 

LETÍCIA 
Não, não... Vamos ficar em cartaz aqui todo o fim de semana. Nada como ter um bom patrocinador, Né não? E eu sei bem o quanto ralamos para conseguir esse patrocínio. 

RAFAEL 
Mas que coisa boa. Se você quiser, posso te levar para conhecer os melhores lugares daqui. 

LETÍCIA 
Estou com você. Por favor, me mostre o que essa cidade tem de melhor. Ai de você se me levar a um lugar ruim, hein! 

RAFAEL 
Eu jamais te levaria a um lugar ruim. Você merece o melhor. 

LETÍCIA
Você não existe, Rafa. Mesmo com todo nosso passado, você ainda é capaz de me dizer palavras doces. Nem sei se as mereço. 

RAFAEL 
Se não merecesse, eu não diria. Eu não sou esse cordeirinho. Mas eu sei o porquê de estarmos juntos aqui, hoje, e de eu nunca ter desistido de você. 

LETÍCIA 
(Curiosa) 
Ah é! Por quê? 

RAFAEL 
(Enigmático) 
Descobre, ué! Isso é você quem vai ter que descobrir sozinha, Letícia. E você vai descobrir, no tempo certo. E se quiser também, claro! 

LETÍCIA 
Isso é um desafio? 

RAFAEL 
Não... É uma descoberta... E as descobertas precisam ser solitárias. Principalmente as que mexem com nosso interior. 

LETÍCIA 
Nossa. Agora você foi tão profundo... 

RAFAEL 
(mudando rápido de assunto) 
Ah sim, o passeio! Vamos. Você tem algum tipo de comida que te agrade? Que você goste mais? 

LETÍCIA 
Ué, você se esqueceu das minhas comidas preferidas? Lembrou de tudo... 

RAFAEL 
Eu lembro que você... É quase vegetariana. Quase não comia carnes... E também não gostava de leite, e dos derivados do leite... 

LETÍCIA
(Com vergonha) 
Eu não preciso mesmo falar nada para você... 

RAFAEL 
Sabe, você fica bonita com vergonha. Eu nunca te vi com vergonha de algo ou de alguém. Você é a pessoa mais segura que um dia eu conheci. Sempre fez o que quis. O que te fez feliz! 

LETÍCIA 
Mas você sempre soube me deixar com vergonha. Só nunca notou isso. Mas Você tem o dom de me deixar vermelhinha. 

RAFAEL 
Eu? Eu sempre fui o envergonhado de nós dois. Você, e esse seu jeito decidido, sempre me encantou, mas eu ficava envergonhado também. Lembra que você é a única que me faz “tremer”? 

LETÍCIA 
(rindo) 
Lembro sim! (desconversando) Melhor irmos, NE? 

RAFAEL 
É... Vamos!