Sambódromo

Desfilam sem intervalo verdadeiras escolas de samba pelas avenidas que me cercam, com pessoas fantasiadas, maquiadas e camufladas em tecidos e brilhantes que me impedem às vezes de reconhecer sua identidade, ou descobrir quem são verdadeiramente. Por vezes isto me agrada, outras não. Por eu ser este excesso o tempo todo, às vezes preciso ser cercado do nu que simplifica o contato e a troca de sentimentos.
Pois canto então, o mais harmonioso samba de Amor, ás musas que bailam á minha volta, que desde seus primeiros passos ás minhas vistas, despiram-se dos esplendores gigantescos e mostraram-se magníficas pelo simples.
Eu, jurado de mim, lhes dedico as notas mais altas, e aguardo ansioso por vê-las desfilar novamente, alegrando-me com sua existência, e torcendo para que este seja um ciclo permanente.
Verdadeiras rainhas da (minha) bateria, dançando ao som da batida do meu coração.
Guia. Mulher. Humana. Amante. Amiga. Negra. Loira.
Sambista.
Amada.

Cláudio Rizzih.