É ou não é?

A rua é calçada do carro
O pé é a roda do homem
O chão é o céu desabado
O sol é uma lâmpada imensa
Movida a energia solar

O líquido é um sólido mole
A luz é a ausência do escuro
O cabelo é um pelo crescido
O pássaro é um avião sem motor
Que bate asas e canta

A sombra é o xerox das coisas
A casa é o lar sem pessoas
A fome é o grito do estômago
O adulto é uma criança grande
Que não pode mais brincar de pique-esconde

O vento é o ar com pressa
O sono é o descanso do corpo
O silêncio é o barulho em férias
A poesia é a palavra bêbada
Em rasgados trajes de gala

O relógio é a marca do tempo
O tempo é o carrasco do homem
O homem sonha ser eterno
A morte é o fim certo do sonho
Na hora incerta, ingrata e inoportuna

Celso Garcia