Dialética da paz

- Cara, hoje eu to em paz!
- Ah, é! Por quê? 
- Sei lá. To feliz, tranquilo... Essas coisas.
- Assim? Simples?
- Ué, tem outro modo de ficar em paz?
- Olha, paz é diferente de bem estar. E isso que você tá sentindo é o segundo, não a primeira.
- Ai, lá vem você com sua filosofia... Mas, vamos lá! Explica pra mim o que é estar em paz.
- Primeiro me responde o que é paz para você.
- Mas, ué, eu já te disse isso.
- Tá... Então detalha mais. Tenta pensar em você e no conjunto da sociedade.
- Cara, agora eu fiquei em dúvida. Tanta desconfiança...
- Relaxa! O que é a paz?
- Ah, saquei! Você fala daquele negócio de paz mundial e tal. Aí é mais complicado mesmo. Essa paz é aquela entre os povos, com ausência de guerras, de conflitos... Não é?
- Tem muito tipo de paz, é?
- Ih, pra caramba! Tem a paz interior, a paz na vizinhança, a paz quando o juiz manda, e a paz no mundo, que nunca é uma paz de verdade, porque nenhum país confia plenamente no outro.
- Você tá muito errado!
- Ahá!!! Um filósofo nunca diz que alguém está errado, porque a sua verdade pode ser diferente da minha verdade.
- Errou de novo!
- Ferrou!... Tá, sabichão. Diz aí então o que é a tal da paz lá.
- Quantas pessoas gostam de você? Mas, de verdade! Não vale a vendedora da padaria que você vai todo dia.
- Desculpa se ela gosta de mim, ok!
- Diz aí... Quantas?
- Ah... Poxa... Tem... Tem... Tem meus pais. Nossos pais nos amam! E tem mais... Tem a primeira namorada. Essas sempre amam a gente. Não tem jeito. E tem mais os amigos da balada, do churrasco, da cervejada...
- A paz é algo que está dentro de você, e dentro de mim também. A gente só fala de paz mundial, paz com vizinho, paz com amigos, colegas de trabalho, e tudo. Mas a paz pra fora só existe quando a paz de dentro existe fortemente. E paz leva ao bem estar, mas não é o bem estar. Você só relaxa, se sente bem, quando a paz lhe proporciona isso.
- Aham... E o que é a paz?
- É o que você tem dentro de você que lhe faz conviver harmoniosamente com os outros.
- E o que eu disse que era a paz, cabeção?
- Você disse que era o que te dava sensação de tranquilidade. E para você estar em paz não é preciso que esteja em estado de complacência. Nada te impede de estar em paz e ser dinâmico, e isso é muito contrário ao que você me falou quando disse que estava em paz.
- Calma aí. Fundiu tudo aqui agora! Então a paz existe em mim e eu externo isso. Ela pode me dar o bem estar ou simplesmente me guiar no meu dia a dia.
- Isso! Bom garoto. Olha, você aprende rápido.
- Você está errado!
- Não. É sério. Você aprendeu rápido. De verdade. Tem gente pra quem eu preciso explicar isso muitas vezes.
- Você está errado em achar que eu devo acreditar nisso só porque você disse.
- Hã? Como assim?
- Essa é a sua verdade! E a lição primeira de qualquer filósofo é aprender a lidar com as verdades dos outros. Quem te disse que a sua verdade é melhor que a minha? E não estou falando que a minha verdade é a melhor, tá. Só que não existe uma grande verdade que esteja acima de todos os entendimentos.
- isso é o que faz com que não exista paz entre as nações. É por causa dessa lógica que o mundo vive entrando em guerras e mais guerras.
- Pois é... Bem-vindo ao mundo!

Leonardo Távora